Retrospectiva: confira os fatos que marcaram o ano de 2017

Jornal Opção relembra de forma breve 10 acontecimentos que mobilizaram todo o Brasil no ano que termina

Fotos: Reprodução | Reprodução/YouTube/ABC | Luiz da Luz | Reprodução

Crise carcerária

Logo no início de 2017, uma crise acometeu o sistema carcerário brasileiro, resultando em massacres em dois presídios no prazo de menos de uma semana.

Já no dia 1º de janeiro, 56 presos foram mortos após um tumulto ocorrido no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) em Manaus, no Amazonas, na região Norte do País. Duas quadrilhas rivais de tráfico de drogas entraram em confronto naquele que foi considerado o massacre mais violento da história do sistema prisional brasileiro desde a chacina do Carandiru, em 1992.

Unidades prisionais no Rio Grande do Norte, Goiás e Roraima também concentraram focos de tensão. O terror chegou ao ápice no dia 23 do mesmo mês, quando vídeos publicados em redes sociais mostraram detentos da penitenciária de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte, assando carne humana em uma fogueira.

Presos fazem “churrasco” com corpos de inimigos em presídio de RN

Terror no Espírito Santo

Antes mesmo da crise nos presídios ser atenuada, no Espírito Santo, um protesto protagonizado por mulheres e familiares de policiais militares promoveu a ocupação de quartéis no Estado, impedindo a passagem de viaturas e o policiamento nas ruas. A ação gerou dias de tensão e medo, além de um saldo violento de quase 200 mortes.

Novos vídeos mostram dia de tensão e medo no Espírito Santo

Pray for Manchester

Apesar de não ser o atentado com o maior número de vítimas, o ataque a bomba durante show da cantora Ariana Grande em Manchester, no mês de maio, provocou comoção mundo afora. Pelo menos 22 pessoas foram mortas, inclusive crianças que estavam na arena para assistir à cantora estadunidense.

Cinco meses depois, em um festival de música country em Las Vegas, um atentado a tiros resultou na morte de 50 pessoas e deixou outras 200 feridas. O autor do tiroteio foi morto pela polícia em um hotel próximo ao local do show.

Ataque a bomba em show de Ariana Grande deixa 22 mortos e 59 feridos

Carne Fraca

A Operação Carne Fraca foi deflagrada no dia 17 de março com foco na venda ilegal de carnes por frigoríficos. A organização criminosa liderada por fiscais agropecuários federais e empresários do agronegócio dos estados de Goiás, Curitiba e Minas Gerais, permitia até mesmo a venda de carne imprópria para consumo humano. Investigadores da PF chegaram a afirmar na época que as empresas envolvidas no esquema estariam usando “papelão para fazer enlatados”.

A empresa se defendeu, afirmando que “houve um mal-entendido”. O imbróglio acabou prejudicando a exportação da carne brasileira e resultou no indiciamento de mais de 60 pessoas.

Esquema entre agentes federais, JBS e BRF permitia venda de carne imprópria para consumo

Violência policial

No final do mês de abril, a truculência de um policial militar durante protesto no Centro de Goiânia repercutiu no País todo e causou debates sobre a atuação da PM em manifestações populares. O estudante de Ciências Sociais Mateus Ferreira da Silva sofreu traumatismo cranioencefálico e múltiplas fraturas depois de um agente da corporação acertar um cassetete no seu rosto. O Capitão Augusto Sampaio foi afastado de suas funções e indiciado por lesão corporal grave e abuso de autoridade. Após ficar meses em estado grave, Mateus conseguiu se recuperar, sem sequelas graves.

Jovem fica ferido em confronto durante protesto no Centro de Goiânia

Baleia azul

O ano de 2017 foi marcado por um intenso debate sobre o suicídio. O assunto dominou as rodas de conversa e fóruns nas redes sociais por volta do mês de julho, quando veio a público a existência do Baleia Azul — um “jogo” que tenta induzir participantes, em sua maioria menores de 16 anos, ao suicídio por meio de 50 desafios.

No Brasil, uma operação da Polícia Federal cumpriu mandados de prisão e de busca e apreensão contra suspeitos de envolvimento com o jogo em 20 municípios de nove estados brasileiros: Amazonas, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe.

Polícia faz operação contra aliciadores do jogo Baleia Azul em nove estados

“Cura gay”

Revolta e indignação tomaram conta das redes sociais em setembro deste ano depois que decisão da Justiça Federal de Brasília permitiu, em caráter liminar, tratar a homossexualidade como uma doença. Na prática, a sentença deu aval para que psicólogos pudessem atender gays e lésbicas como doentes e pudessem fazer terapias de “reversão sexual” sem sofrer qualquer tipo de censura por parte do Conselho Federal de Psicologia (CFP).

Justiça permite que psicólogos tratem gays como doentes e promovam “reversão sexual”

Atirador no Colégio Goyases

No dia 20 de outubro, um adolescente de 14 anos atirou contra colegas dentro do Colégio Goyases, em Goiânia. A tragédia deixou dois mortos, João Pedro Calembo e João Vitor Gomes, de 13 anos, e três feridos. Isadora Santos que também foi atingida pelos disparos ficou paraplégica. O atirador teve a internação definitiva decretada pela Justiça.

Adolescente abre fogo dentro da sala de aula e mata dois colegas em Goiânia

Chapada em chamas

Incêndios de grandes proporções destruíram no mês de outubro mais de 66 mil hectares do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, o equivalente a mais de 25% da reserva. As estruturas físicas do parque ficaram intactas, graças ao trabalho dos brigadistas e bombeiros.

O incêndio começou no dia 10 de outubro, obrigando o parque a fechar as portas no feriado do dia 12 do mesmo mês. O incêndio foi controlado e um novo foco surgiu no dia 17. Desde então, novos focos, com suspeitas de ação humana criminosa, foram surgindo.

Depois de dias de trabalho, e com as chuvas que atingiram a região, o incêndio acabou sendo controlado e considerado extinto no dia 31.

Fogo na Chapada é declarado extinto e parque será reaberto nesta quarta-feira (1º)

Tragédia em Minas Gerais

Um incêndio criminoso em uma creche em Janaúba (MG) gerou comoção nacional em outubro deste ano, depois que um segurança que trabalhava no local jogou álcool no próprio corpo e nos corpos de algumas crianças e ateou fogo. A tragédia deixou 10 vítimas, sendo a maioria crianças de apenas quatro ou cinco anos. O segurança que começou o incêndio também morreu.

Segurança ateia fogo em creche e mata quatro crianças em Minas Gerais

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.