Para o delegado do Grupo de Investigação de Homicídio (GIH), de Formosa, Danilo Meneses, o adolescente de 13 anos que esfaqueou e matou o pai agiu em legítima defesa dele e da mãe. O homicídio ocorreu em 26 de janeiro deste ano e o inquérito foi concluído nesta sexta-feira, 24.

De acordo com a polícia, a vítima, Flávio Carneiro de Sousa, era bastante agressivo com a esposa, que vivia há quase 20 anos, e com os filhos. Meneses frisa que o casal tinha um relacionamento marcado por brigas, xingamentos e violência, que resultou em muitos rompimentos e reconciliações.

Naquela data, ele havia chegado em casa, no Setor Jardim Califórnia, mais uma vez com uma garrafa de cachaça na mão. Pegou uma faca e passou a ameaçar novamente a mulher e o jovem de 13 anos, alegando que ele não era seu filho, apesar de ser registrado.

Após as agressões verbais, o homem teria partido para cima da companheira e tentou esfaqueá-la. Como ela estava com uma bolsa nas costas, se protegeu, mas foi ferida no braço e o acessório recebeu diversos golpes.

Ao presenciar a cena, o adolescente encontra outra faca e quando o pai tenta lhe golpear também, ele reage atingindo o tórax. Na sequência, o rapaz fugiu e foi localizado pela polícia posteriormente. Socorrido por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), a vítima não resistiu aos ferimentos e foi a óbito na unidade hospitalar.

Legítima defesa

Vítima mostra cicatrizes de violência doméstica do companheiro | Foto: PC-GO
Vítima mostra cicatrizes de violência doméstica do companheiro | Foto: PC-GO

Com a conclusão das investigações da delegacia, o caso foi encaminhado ao Judiciário com a sugestão de arquivamento. No entanto, a manifestação final será do Ministério Público de Goiás (MP-GO).

“Houve um uso moderado por parte do adolescente, que foi somente uma facada, esse foi meio necessário, naquelas circunstâncias. Principalmente, considerando a inferioridade do porte físico, o único meio que ele tinha era a faca para repelir a agressão do pai, que era absurdamente injusta”, salientou Danilo Meneses.