Dinheiro ficou parado por três anos na conta da prefeitura. Enquanto isso, moradores queimavam pneus nas ruas reivindicando infraestrutura

Moradores queimam pneus para reivindicar melhorias no setor | Foto: Reprodução

Em 2016, por meio de uma emenda do então deputado federal Jovair Arantes (PTB-GO)foram destinados R$ 6,8 milhões para asfaltamento do setor Shangri-lá, região Norte de Goiânia. Um ano depois, o dinheiro entrou no orçamento da união e foi depositado na conta da Prefeitura de Goiânia, responsável por se comunicar com a Caixa Econômica Federal e executar o recurso.

O valor de R$ 6,8 milhões esteve disponível no caixa da prefeitura por três anos, de 2017 a 2019. O órgão da prefeitura responsável por elaborar um simples ofício à Caixa Econômica não o fez. O valor, então, foi devolvido aos cofres do governo federal.

Na semana retrasada, moradores bloquearam a GO 462 e queimaram pneus para reivindicar infraestrutura para o setor, principalmente asfalto e saneamento básico. No local moram 579 famílias.

A prefeitura também não conseguiu explicar à Caixa Econômica Federal porque tem obras paradas na cidade mesmo com dinheiro liberado pelo governo federal para concluí-las, segundo o deputado estadual Henrique Arantes (PTB).

Em nota, a Seinfra se posicionou:

A Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos – SEINFRA – informa que todos os trâmites de responsabilidade da Prefeitura até a instrução do processo licitatório para execução da pavimentação asfáltica do Bairro Sangri-lá foram feitos, mas o convênio com o Governo Federal foi rompido unilateralmente por conta da paralisação das obras do Córrego Cascavel. Esclarece, entretanto, que os recursos não chegaram a ser transferidos para a conta do convênio. Informa ainda que licitou, com recursos próprios, a pavimentação do Bairro, mas foi obrigada a rescindir o contrato já assinado com a empresa vencedora, pelo não cumprimento do cronograma da obra no tempo determinado. A secretaria adianta que, como determina a legislação, está contratando a segunda colocada no processo, pelo mesmo valor e condições da primeira. As obras de pavimentação no Sangri-lá incluem construção de galerias de águas pluviais, bocas de lobo, meios-fios etc.