Comissão de Ética da sigla irá apreciar o parecer elaborado pelo relator Dorival Mocó 

A Comissão de Ética do PMDB Goiás define na manhã desta segunda-feira (21/6) o futuro político do empresário Junior Friboi. Na ocasião, será apreciado pelos integrantes do conselho o relatório produzido pelo advogado Dorival Mocó quanto ao processo de expulsão de Friboi da legenda.

[relacionadas artigos=”28368,35518″]

Conforme adiantado pela coluna Bastidores, do Jornal Opção, o empresário teria confidenciado a políticos goianos que o partido pode até tentar expulsá-lo, mas que a decisão deve ser revertida em Brasília, já que conta com o apoio do vice-presidente da República, Michel Temer, e dos deputados federais Daniel Vilela e Pedro Chaves.

Procurado pela reportagem na última semana, o relator Dori Mocó preferiu não entrar em detalhes quanto ao conteúdo de seu parecer e também se recusou a adiantar o voto. Em entrevista ao Jornal Opção Online no final do último mês, o advogado disse que não se deixaria levar por “brigas políticas”.

Tido como irista, Dori rebateu qualquer especulação de seu posicionamento: “Não devo satisfação a ninguém. Nenhum dos dois paga minhas contas, nem Iris, nem Friboi. Isso aqui é um julgamento”, disse, à época.

Integrante da comissão de ética, o advogado Kowalsky Ribeiro defende a permanência de Friboi, apesar de não confirmar o voto pela não expulsão do empresário no PMDB. “Somos um partido de oposição, temos é que nos fortalecer”, defendeu à reportagem, lembrando que a expulsão do empresário ocasionaria na debandada de muitos outros peemedebistas.

Especulações dão conta que a comissão peemedebista ficará dividida, sendo que três devem votar pela expulsão — Lucas do Vale, Dori Mocó e Gilmar Mota — e os outros três — Juliano Rezende, Marcone Pimenteira e Kowalsky Ribeiro — pela permanência. Neste caso, caberia ao presidente da comissão, o advogado Leon Deniz, definir a questão. O possível voto de minerva, no entanto, ainda é um mistério.

Entenda

[relacionadas artigos=”38687″]

O processo de expulsão do empresário se arrasta desde o fim do último ano, quando Friboi resolveu creditar apoio à candidatura do governador Marconi Perillo (PSDB). Tido desde o início daquela corrida eleitoral como possível pré-candidato ao governo pelo PMDB, Friboi resolveu retirar seu nome da disputa em cima da hora, após o decano Iris Rezende demonstrar novamente interesse pelo cargo.

A decisão sobre a permanência ou não de Friboi no PMDB não coloca em xeque apenas o futuro do empresário, mas também o da própria da legenda, já esbarrando nas eleições municipais do próximo ano. Caso Friboi permaneça no partido, o grupo comandado por Iris Rezende perde força, assim como a candidatura do cacique peemedebista à Prefeitura de Goiânia no próximo ano.