Nova decisão retira Lúcia Vânia da presidência do PSB

“Ela omitiu informações e induziu o juiz ao erro”, afirma Elias Vaz

Em nova decisão interlocutória, o juiz Luis Carlos de Miranda, de Brasília, derrubou a liminar anterior que reconduzia a ex-senadora Lúcia Vânia à presidência do PSB. Com isso, Elias Vaz, oficializado no cargo no último de 10, retorna.

Na decisão anterior, o magistrado tinha observado na peça “um flagrante desrespeito às normas internas do partido e das regras estabelecidas pelo próprio presidente do partido, Carlos Siqueira”.

Porém, nesta sentença ele informou que, “pelos documentos anexados, que o Diretório Nacional ratificou a decisão liminar de seu presidente, bem como que constituiu a Comissão Provisória, e, ainda mais importante, intimou os autores desta ação para defesa”.

Justificativa

No caso dos argumentos parte autora [Lucia Vânia], Luis Carlos afirmou que “a falta de transparência do edital de convocação não é suficiente para afastar a conclusão acerca da ausência dos requisitos para a manutenção da tutela de urgência, especialmente diante da preservação do contraditório e da constituição de uma Comissão Provisória, eis que esta foi criada para perdurar por 6 meses”.

A defesa da ex-senadora foi procurada, mas até o fechamento dessa matéria não obtivemos retorno. O espaço permanece aberto.

Peessebistas

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, afirmou que a decisão não o surpreende. Segundo ele, “nessas gincanas das pessoas quererem resolver na Justiça, nunca perdi uma”.

Além disso, Siqueira afirmou que Lúcia Vânia é página virada. “Ela precisa ir para o partido que anunciou que iria [PPS] e deixar o PSB sob a nova e ótima direção, no caso o Elias”.

Da mesma forma, o presidente Elias Vaz diz que a decisão era esperada. “Ela omitiu informações e induziu o juiz ao erro. Omitiu que foi notificada e não fez defesa no prazo; e que decisão por mudanças no partido foi apreciada pela diretória e entendida por unanimidade”.

Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Puxadinho não mais

Questionado se ainda há alguma chance de uma reviravolta, Elias diz que não.  O deputado federal afirma que documentos foram expostos e a ação dela era baseada em mentiras. “Ela tentou entrar em contato com lideranças, mas são todos a favor da minha presidência”, afirmou.

Elias explicitou, também, que a Justiça não vai obrigar o partido a manter uma pessoa que não quer mais. “Não tem como passar por cima de uma decisão nacional do partido”.

Sobre os rumos da sigla, o deputado federal adianta, ainda, que Agora haverá estabilidade. “Não seremos mais puxadinho do PSDB, como foi. Teremos cara própria”, concluiu.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.