Marconi: “Navarrete substituirá Ana Carla à altura no comando da Fazenda”

Governador explicou que transição já começou e secretária deve ficar até dezembro, depois voltará para São Paulo

Fernando Navarrete e o governador | Foto:  Eduardo Ferreira

Fernando Navarrete e o governador | Foto: Eduardo Ferreira

O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), afirmou durante edição do quadro Governador Responde, que o atual presidente da Celg Participações, Fernando Navarrete, dará continuidade ao ajuste fiscal e substituirá à altura Ana Carla Abrão Costa no comando da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz).

“A secretária Ana Carla deixa um grande legado, uma grande escola, e vai continuar nos ajudando. O Fernando, eu não tenho dúvida, fará um bom trabalho também como sucessor dela”, disse.

O tucano explicou que a transição das gestões já foi iniciada e Ana Carla permanecerá à frente da Sefaz até dia 31 de dezembro, quando retornará para São Paulo para assumir o Conselho de Gestão Fiscal da Prefeitura da capital paulista a convite do prefeito eleito João Doria (PSDB).

“Ela foi convidada para ser secretária de Finanças, mas realmente quer se dedicar um pouco mais à família e, por fim, concluíram que Ana Carla será a presidente do Conselho de Gestão Fiscal da Prefeitura de São Paulo”, detalhou o governador.

No comando da Sefaz desde o início do quarto mandato de Marconi, Ana Carla executou o Programa de Ajuste Fiscal (PAF) delineado pelo governador ainda no final de 2014 com o objetivo de conter os efeitos da crise econômica nacional sobre as contas públicas.

Marconi reduziu o número de secretarias de 16 para 10, extinguiu 5 mil cargos comissionados e encerrou 9 mil contratos temporários com o objetivo de reduzir os gastos com a folha salarial do funcionalismo e com o custeio da máquina pública.

As medidas de ajuste resultaram numa economia de R$ 3 bilhões e asseguraram o pagamento em dia da folha do servidores, de contratos com fornecedores e a manutenção dos serviços públicos.

O ajuste obteve o reconhecimento do mundo econômico público e privado e manteve o Estado de Goiás em situação menos delicada que a de outros Estados, que estão atrasando o pagamento da folha e não conseguem manter em dia o funcionamento dos serviços públicos.

Elogios 

“Primeiro é importante dizer que a equipe da secretária Ana Carla está muito bem ajustada, muito bem afinada. É uma equipe muito profissional. Fernando Navarrete tem com ela uma excelente relação, e é um excelente gestor público, também veio da iniciativa privada”, disse o governador ao comentar a escolha do sucessor.

Segundo Marconi, Navarrete foi muito importante na transição da Celg (no processo de federalização), especialmente, “num momento em que nós transferimos o controle acionário para a Eletrobrás”. Marconi disse que Navarrete assumiu a presidência da Celg Participações com a Celg Geração e Transmissão (Celg GT, uma de suas subsidiárias) lá em baixo, sem nenhum faturamento, e agora a empresa vai chegar ao ano que vem com faturamento anual de R$ 150 milhões”.

“A Celg GT tem participado de todos os leilões para construção de pequenas hidrelétricas, para construção de linhões, em parceria com o setor privado, tem construídos subestações rebaixadoras, até mesmo fora de Goiás, como foi o caso de Campo Grande. Isso tudo graças à gestão do Fernando e uma boa equipe, uma equipe enxuta”, arrematou o governador.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.