Ex-governador de Mato Grosso, do PMDB, tem prisão decretada e está foragido

Silval Barbosa é acusado de participar de uma organização criminosa que cobrava propina de empresários 

Ex-governador Silval Barbosa | Foto: Edson Rodrigues/ Secom MT

Ex-governador Silval Barbosa | Foto: Edson Rodrigues/ Secom MT

A Justiça decretou, na última terça-feira (16/9), a prisão do ex-governador do Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB). Ele é acusado de participar de uma organização criminosa composta de ex-integrantes do alto escalão do governo do Estado, nos anos de 2013 e 2014, envolvida em crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Em entrevista ao Jornal Opção, a assessoria da Polícia Judiciária Civil (PJC) informou que a principal suspeita é de que haveria cobranças de propina, por parte de agentes públicos, de empresários beneficiados pelo Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso (Prodeic).

Silval Barbosa, que governou entre os anos de 2010 e 2014, é um dos investigados na Operação Sodoma, deflagrada pelo grupo operacional do Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (Cira), força-tarefa permanente composta pela Delegacia de Combate à Corrupção, Ministério Público Estadual, Secretaria de Fazenda de Mato Grosso e Procuradoria Geral do Estado.

Como a PJC não conseguiu localizar o ex-governador para cumprir o mandato de prisão temporária, ele já é considerado foragido da Justiça.

O secretário-geral do Cira, promotor Fábio Galindo, informou que a operação ocorre no curso da investigação criminal iniciada há mais de quatro meses e está amparada em robusto acervo de provas da participação dos investigados e mediante minuciosa análise de dados e de documentos, dentro das mais modernas técnicas de Inteligência.

O ex-chefe da Casa Civil, Pedro Nadaf, e o ex-secretário de Fazenda, Marcel de Souza Cursi — ambos do governo Silval –, foram presos ainda na tarde da última terça-feira (16).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.