Deputados goianos pedem a Maia que rejeite “ideologia de gênero” da base curricular

Carta de Goiânia, entregue ao presidente da Câmara dos Deputados, quer rejeição de qualquer termo que trate de gênero na Educação 

Rodrigo Maia e Francisco Jr. | Foto: divulgação

O deputado estadual Francisco Jr. (PSD) foi até Brasília nesta semana para entregar ao presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), uma carta que pede para que a chamada “ideologia de gênero” não seja incluída na Base Nacional Curricular Comum (BNCC).

O texto é fruto de uma audiência pública sediada na Assembleia Legislativa de Goiás que discutiu com especialistas contrários ao uso da palavra “gênero” na educação pública. Entre eles, Rodrigo Pedroso, da União dos Juristas Católicos de São Paulo; Jean Marie Lambert, doutor em Ciências Políticas, e a Médica Jordana de Faria Bessa, ginecologista e obstetra, da USP.

Francisco Jr., que é católico da Renovação Carismática, é um dos críticos da ideia de que os gêneros são, na realidade, construções sociais. Para ele, a tese de que não existem apenas os gêneros “masculino” e “feminino”, mas um espectro que pode ser livremente escolhido pelo indivíduo, é falsa.

Justamente por isso, o parlamentar acredita que essa forma de apresentar os conteúdos não devem estar inseridas dentro da BNCC. “Essas situações colocam todos os estudantes brasileiros reféns da decisão de poucos teóricos, que estão com essa mudança obrigando as crianças a estudar algo que a maioria das famílias não concorda”, explica.

A Carta Pública de Goiânia manifesta a rejeição da inclusão das terminologias “gênero”, “identidade de gênero”, e “orientação sexual” no texto a ser aprovado na BNCC e pede a aprovação do PL 4486/2016, de autoria do deputado Rogério Marinho (PRB-RN), que altera a Lei 13.005 de 25 de junho de 2014, de modo que a base seja aprovada pelo Congresso Nacional com requerimento de urgência.

“É necessário que a sociedade civil ser organize para que essas decisões não sejam tomadas de forma errônea, a BNCC precisa se ater ao que rege o Plano Nacional da Educação. Nós vamos apresentamos a Carta de Goiânia solicitando ao presidente da Câmara dos Deputados, pedindo que a BNCC tenha uma discussão ampliada”. defendeu.

Além do deputado do PSD, assinaram o pedido Simeyzon Silveira (PSC), Jeferson Rodrigues (PRB) e Henrique Arantes (PTB).

Deixe um comentário