Bandeira da gestão Temer, privatização de estatais é rejeitada por 60% dos brasileiros

Pesquisa do Instituto Paraná mostra que seis em cada dez entrevistados são contra a entrega de empresas ao setor privado

Presidente interino Michel Temer e o ministro Henrique Meirelles | Foto Lula Marques/AGPT

Presidente interino Michel Temer e o ministro Henrique Meirelles | Foto Lula Marques/AGPT

Bandeira da gestão do presidente interino Michel Temer (PMDB), a privatização de empresas estatais é rejeitada por seis em cada dez brasileiros.

É o que mostra um estudo do Instituto Paraná, que entrevistou 2.020 pessoas em todas as regiões do Brasil entre os dias 20 e 23 julho deste ano. 60,6% dos entrevistados disseram ser contra a privatização de empresas controladas pelo Estado brasileiro.  Apenas 33% se mostraram favoráveis.

A rejeição maior foi aferida quando proposta a desestatização dos bancos públicos, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal — 67,5% se posicionaram contrários.

Veja os resultados:

Privatização de empresas estatais
Contra 60,6%
A favor 33,5%
Não sabe/ não opinou 5,9%

Privatização da Petrobrás
Contra 63,3%
A favor 31,1%
Não sabe/ não opinou 5,6%

Privatização dos Correios
Contra 62,4%
A favor 32,3%
Não sabe/ não opinou 5,3%

Privatização Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal
Contra 67,5%
A favor 26,8%
Não sabe/ não opinou 5,7%

A pesquisa foi realizada com 2.020 habitantes, em 158 municípios de 24 Estados e no Distrito Federal entre os dias 20 e 23 de julho de 2016. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Caso se confirme o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), o presidente interino planeja apresentar um plano de governo de autoria própria que segundo matéria do jornal O Globo, já estaria sendo preparado. A ordem inicial seria “privatizar tudo o que for possível”.

“O Estado deve transferir para o setor privado tudo o que for possível em matéria de infraestrutura. Quanto às competências que reservará para si, é indispensável que suas relações com contratantes privados sejam reguladas por uma legislação nova, inclusive por uma nova lei de licitações. É necessário um novo começo das relações do Estado com as empresas privadas que lhe prestam serviços”, diz trecho do documento “A travessia social”, composto por 17 páginas e que servirá de base para um eventual plano de governo.

Ainda segundo reportagem, a intenção do governo do PMDB seria testar um modelo de privatizações com foco na parceria entre governo e iniciativa privada em várias estatais, como os Correios, a Transpetro e Infraero. O formato ainda estaria em discussão.

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Gustavo Henrique

isso mostra o qual retardada é a população do Brasil, em plena lava jato, eletrolão, o roubo dos fundo de pensão, e ainda acham que são donos de alguma coisa, que inocentes