Republicanos triunfa no pleito de 2020 com aumento de prefeitos e vereadores em Goiás

Em números reais, o partido do deputado federal João Campos e do candidato a vice-prefeito de Goiânia, Rogério Cruz, foi o único que se fortaleceu no Legislativo goianiense nessas eleições

João Campos garante que Republicanos já traça metas para 2022 | Foto: Divulgação

A população foi às urnas no último domingo, dia 15, para escolher os novos, ou mesmos, gestores do Executivo municipal e vereadores que ocuparão as prefeituras e câmaras pelos próximos 4 anos. Em Goiás, a constatação da redução de espaço de alguns partidos tidos como tradicionais e fortes no estado e o crescimento de outros que, até então, eram vistos com os ‘nanicos’ pode, inclusive, sinalizar uma mudança de paradigma na preferência do eleitor na hora de votar.

O partido Republicanos, antigo PRB, é um grande exemplo disso. Na contramão de partidos consolidados em Goiás, como o MDB e o Patriotas, a legenda, que foi fundada em 2005 e tem vários representantes ligados à Igreja Universal do Reino de Deus, além de aumentar sua bancada em 33% na Câmara Municipal de Goiânia, pôde celebrar dois de seus vereadores como os mais bem votados da capital: Isaias Ribeiro, com 9.323 votos, e Sargento Novandir, com 7.239 votos.

Em números reais, o partido do deputado federal João Campos e do candidato a vice-prefeito de Goiânia, Rogério Cruz, foi o único que se fortaleceu no Legislativo goianiense nesse pleito. Já legendas como o DEM, Patriotas, PDT e MDB tiveram um decréscimo entre 75% e 40%. Para se ter uma ideia, o MDB, que tinha 10 parlamentares, agora tem 6. O Patriotas tinha 7, e agora conta com somente 2.

No Executivo, a ascensão do Republicanos também pôde ser notada. Em 2016, o partido elegeu prefeitos em somente 3 municípios goianos: Cachoeira Dourada, Nerópolis e Paraúna. Já no pleito de 2020, esse número subiu para 8. Candidatos a prefeito do Republicanos saíram vencedores em Aragarças, Caldas Novas, Divinópolis, Doverlândia, Mundo Novo, Nerópolis, Paraúna e Portelândia.

Isaias Ribeiro, do Republicanos, foi o vereador mais bem votado de Goiânia | Foto: Reprodução

Esse cenário de crescimento, na verdade, não é uma novidade e já vinha sendo observado há algum tempo. Conforme um levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), Novo Congresso Nacional em Números, que avaliou o desempenho dos partidos políticos brasileiros, o Republicanos lidera o gráfico de ascensão nas eleições dos últimos anos.

Nas Eleições de 2006, por exemplo, o partido elegeu apenas 1 deputado federal. Já no pleito de 2010, foram 8. Nas eleições de 2014, foram eleitos 21 deputados federais, transformando a bancada do Republicanos como a 10ª maior da Câmara dos Deputados. Na corrida eleitoral de 2018, o número de parlamentares federais subiu para 30, e o partido passou a ser a 8ª maior bancada.

O crescimento se deu, inclusive, na bancada feminina. Em 2018, o Republicanos elegeu três deputadas federais: Rosangela Gomes (RJ); Aline Gurgel (AP) e Maria Rosas (SP), o que representou um crescimento de 50% em relação ao pleito anterior.

Novamente indo numa linha descendente, o MDB teve sua bancada na Câmara reduzida consideravelmente. Em 2014, a legenda elegeu 64 deputados. Porém, em 2018 esse número caiu para 34. Já o PSDB viu sua bancada diminuir de 54 para 29. O PT também registrou uma redução expressiva: de 69 deputados em 2014 para 55 em 2018.

Ainda em 2018, o Republicanos teve mais de 9,8 milhões de votos no Legislativo, conseguindo eleger, além dos 30 deputados federais, 42 deputados estaduais ao redor do país. Nesse mesmo ano, em Goiás, a Assembleia Legislativa, que até então não tinha nenhum representante do Republicanos, passou a contar com a presença do deputado estadual Jefferson Rodrigues.

Melhor articulação na Câmara

Ao Jornal Opção, o vereador e candidato a vice-prefeito de Goiânia, Rogério Cruz, do Republicanos, cita o reconhecimento como um dos fatores que levaram à alavancada de seu partido nas últimas eleições. Para Cruz, o crescimento do Republicanos  “tem a ver com a importância das pessoas conhecerem também a ética do partido”.

“Quando o parlamentar segue a ética do partido, isso traz pra ele uma certa segurança no seu trabalho e, é claro, os eleitores observam isso. O partido Republicanos tem conseguido agradar aí a maioria dos eleitores, no seu modo de trabalho, de fazer a política correta através de seus parlamentares”, afirma.

Vereador e candidato a vice-prefeito, Rogério Cruz | Foto: DivulgaçãoqRepublicanos

O vereador, que ao lado de Maguito Vilela (MDB) terminou o 1º turno com resultados à frente do oponente na corrida ao Paço Municipal, lembra que o crescimento da bancada republicana na Câmara Municipal favorecerá a articulação na Casa. “Acredito sim que possa haver uma condição melhor, de o partido estar somando com a Câmara Municipal, e isso traz uma soma positiva em apoio ao Executivo”, diz.

Deputado atribui crescimento do Republicanos ao ‘planejamento pós-eleição’

Em 2018, o deputado federal João Campos foi reeleito por Goiás com 106.014 votos (3,50% dos válidos). O parlamentar é figura influente no estado, tanto que em setembro deste ano, por 23 votos a 0, os deputados da Alego aprovaram, em segunda votação, o projeto de lei  nº 7112/19, de autoria do deputado Diego Sorgatto (DEM), que concede o Título Honorífico de Cidadania Goiana a Campos.

Questionado sobre a expansão notável de seu partido nos últimos anos, o parlamentar atribui o fato a principalmente um quesito: planejamento. De acordo com Campos, o Republicanos, presidido nacionalmente por Marcos Pereira, “tem uma direção muito organizada”, e quando acabam as eleições, a legenda já se debruça sobre a articulação estratégica para as próximas.

“O nosso partido é o que mais tem crescido. Normalmente se mede o partido pelo tamanho da bancada federal e é o partido que mais tem crescido a cada legislatura. Isso tem ocorrido em cima de planejamento, de metas […].Tivemos um crescimento expressivo não só em Goiás e já está sendo elaborado o planejamento de 2022”, declara.

Ao Jornal Opção, o deputado se diz satisfeito com os resultados obtidos no pleito de 2020, sobretudo no que tange ao Legislativo goianiense. Campos destacou, inclusive, que, com a reeleição do vereador Sargento Novandir e com a eleição de Isaias Ribeiro e Leandro Senna para a Câmara, o Republicanos passou a ter mais espaço e voz no parlamento, encostando em legendas já tradicionais no Legislativo.

Deputado federal João Campos, nome proeminente do Republicanos | Foto: Divulgação

“Nossas metas para as eleições municipais foram alcançadas. A nível de Brasil, nós estamos satisfeitos com o crescimento do partido. Em Goiás, tivemos um crescimento razoável. Em Goiânia nós tínhamos um vereador, e agora somos três. Somos a segunda maior bancada”, ressalta Campos.

De acordo com o deputado, o planejamento feito pelo partido tem surtido efeitos. Segundo ele, a meta inicial para 2018 era para a eleição de no mínimo 30 e no máximo 40 deputados federais. “Elegemos 30, o que ficou dentro do planejado”, diz.

No entanto, conforme Campos, um fator de dificuldade ao Republicanos na hora de traças as metas é a indefinição quanto à possibilidade de alteração do sistema eleitoral. “Há a dúvida se o Congresso vai manter, ou não, o sistema adotado nessas eleições ou se vai alterá-lo. Nessa eleição, nós não tivemos coligações proporcionais. Cada partido tinha que se virar para ter sua chapa de vereador, isso pela primeira vez […]. Mas a tendência majoritária é manter o sistema atual”, avalia.

Preservação de identidade e eleições municipais

Em agosto do ano passado, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) homologou o pedido e o PRB passou a se chamar Republicanos. A alteração, decidida na convenção nacional, seguiu uma tendência já adotada por outros partidos de abandonar siglas conhecidas para adquirir uma nova roupagem. Todavia, o deputado João Campos garante que a mudança se deu apenas na nomenclatura.

Segundo o parlamentar, em termos de conteúdo e ideologia, o Republicanos continua o mesmo. “Somos um partido de direita, liberal na economia, conservador nos costumes, nas tradições, continuamos com a mesma identidade”, destaca.

Questionado sobre o 2º turno das eleições municipais, que traz Rogério Cruz como o vice da chapa de Maguito Vilela, candidato à frente nas pesquisas, Campos se mostrou confiante. Segundo ele, o emedebista foi o único que efetivamente cresceu nas pesquisas e nos votos propriamente ditos.

“Com muito respeito ao eleitor e ao outro candidato, nós estamos muito otimistas […]. Nosso candidato teve um crescimento exponencial, porém lento. E por ser um crescimento gradativo, a gente entende que foi um crescimento consistente e o fez chegar no primeiro turno também com uma vantagem razoável”, pontua.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.