Quem são os candidatos à Prefeitura de Senador Canedo

Prefeito Misael Oliveira, que vai à reeleição, se destaca diante da população. Outros candidatos apostam em projetos sobre segurança pública, saúde e educação

Misael Olveira: prefeito se destaca na corrida pela Prefeitura de Senador Canedo, com gestão bem avaliada | Foto: Renan Accioly/Jornal Opção

Misael Olveira: prefeito se destaca na corrida pela Prefeitura de Senador Canedo, com gestão bem avaliada | Foto: Renan Accioly/Jornal Opção

Marcos Nunes Carreiro

Sem sombra de dúvida, Senador Canedo está entre as cidades mais importantes de Goiás. Bem localizada, a cidade que está a menos de 20 quilômetros de Goiânia, abriga importantes empresas e indústrias brasileiras. O município tem, por exemplo, um terminal da Petrobrás, que armazena e distribui óleo diesel, gasolina, entre outros produtos para várias companhias da região.

Emancipada em 1989, a jovem cidade cresceu rápido, algo que é atribuído à industrialização do local, o que atraiu mais pessoas e deu importância ao município, que hoje tem mais de 100 habitantes e uma renda per capita média que cresceu mais de 160% nos últimos 20 anos. Tanto é que Senador Canedo lançou um candidato a governador de Goiás: Vanderlan Cardoso (PSB), que disputou as duas últimas eleições ao governo e agora desponta na campanha pela Prefeitura de Goiânia.

Além disso, não são poucos os moradores de Goiânia que hoje “vivem” na cidade vizinha. Como alguns setores de Senador Canedo estão colados na capital, caso da Vila Galvão, muitos moradores de setores goianienses como Conjunto Aruanã, Conjunto Riviera, Residencial Sonho Verde e Jardim Novo Mundo, chegam a usufruir dos serviços prestados pelo vizinho, como postos de saúde, ou mesmo buscam emprego na outra cidade.

Por isso, não são poucos os goianienses que prestam atenção aos candidatos à Prefeitura de Senador Canedo, mesmo que tenham outra residência eleitoral. São cinco: Misael Oliveira (PDT), Alsueres Mariano (PR), Franco Martins (DEM), Divino Lemes (PSD) e Zélio Cândido (PSB).

O Jornal Opção buscou conversar com todos para saber quem são eles e quais suas principais propostas de campanha. Até o fechamento desta edição, apenas o candidato do PSD, Divino Lemes, não atendeu às ligações da reportagem. Na sexta-feira, 26, o Ministério Público de Goiás (MP-GO) propôs ação de impugnação de registro de sua candidatura. A reportagem tentou ouvi-lo, mas não obteve resposta.
Veja quem são os candidatos:

Misael Oliveira (PDT)

Misael Oliveira é o quarto prefeito da cidade. Emancipada em 1989, Senador Canedo foi gerida por Divino Lemes, considerado o primeiro prefeito da cidade. Tomás de Aquino venceu a eleição em 1992 e, muito mal avaliado, não conseguiu se reeleger em 1996, eleição esta que foi vencida por Divino Lemes, que na época estava no PSDB, e se reelegeu na eleição de 2000.

De 2004 a 2010, o município foi gerido por Vanderlan Cardoso, que venceu o primeiro pleito pelo PL e o segundo pelo PR, e saiu em 2010 para disputar o governo do Estado. Em 2012, disputando pela primeira vez uma eleição para o Executivo, Misael venceu com mais de 63% dos votos válidos e, agora, vai à reeleição.

A trajetória política de Misael é grande. Foi vereador por Goiânia em quatro legislaturas e deputado estadual por três mandatos — de 2003 a 2012. Nesse meio tempo, foi ainda secretário de Estado do governo Marconi Perillo, em 2005, época em que já se voltava para Senador Canedo, onde fixou residência e, ao lado de Vanderlan, passou a defender a permanência dos impostos federais do combustível na cidade.

Misael fez uma gestão bem avaliada, com muitas obras na cidade. Políticos da cidade, mesmo os adversários, reconhecem isso. Deu início à implantação da rede de esgoto, algo que até então inexistia no município. Cerca de 50% da cidade conta hoje com a infraestrutura, que só aguarda o funcionamento da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), quase pronta.

Ainda na área do saneamento básico, a gestão de Misael é responsável por outra obra apontada como essencial para a cidade: o reservatório de água, que deve aumentar muito a capacidade de armazenamento no município, que sofreu com falta de abastecimento de água em alguns locais, principalmente nos setores mais afastados e mais novos.

O prefeito diz: “Quando me perguntam por que quero ser prefeito novamente. Minha resposta: para continuar o processo de transformação da cidade, agora em uma nova versão: concluindo todo o sistema de saneamento básico e construindo mais espaços de lazer e vias estruturantes. Isso vai atrair mais empresas, gerar mais empregos e melhorar a vida das pessoas”.

O plano de governo de Misael tem como foco quatro eixos principais: educação, saúde, segurança e infraestrutura. Na educação, o prefeito pretende universalizar o acesso às escolas e investir em escolas de tempo integral. “A educação em tempo integral, ou com atividades no contraturno, é a grande meta que pretendemos atingir nos próximos quatro anos de gestão”, afirma. Para isso, deverão ser criadas cinco novas escolas, além de reformar e ampliar as que já existem.

Na saúde, o foco é na humanização do atendimento, na qualificação do atendimento básico e na implementação de programas especiais (para crianças, mulheres, homens, idosos e dependentes químicos). Segundo o prefeito, isso deverá ser feito, principalmente, garantindo a permanência de médicos nos PSFs todos os dias e informatizando a rede de saúde do município, o que deve facilitar a identificação dos pacientes e também controlar o tempo de espera, que é uma reclamação de muitos usuários do SUS, não apenas em Senador Canedo. Além disso, entre outras propostas, Misael garante Finalizar a obra do Centro de Especialidades e da Maternidade, fora a conclusão do Complexo de Saúde.

Sobre a segurança, uma demanda de praticamente todos os municípios atualmente, o prefeito diz que, embora esse seja um assunto de competência das polícias estaduais e federais, a Prefeitura pode contribuir melhorando o sistema de videomonitoramento, criando bases de apoio para a guarda municipal em regiões estratégicas, como a Vila Galvão e o Jardim das Oliveiras, setores que fazem divisa com Goiânia. Outra medida será repactuar o convênio com as polícias Civil e Militar, além de construir uma base fixa para a Guarda.

Alsueres Mariano (PR)

Goianiense, Alsueres Mariano (PR) é apontado como um “sujeito bom de voto” por muitos políticos da cidade. Médico, o candidato do PR, já é conhecido da população. Já foi vereador e disputou eleição para prefeito em 2004, quando foi apoiado pelo ex-prefeito Divino Lemes, na gestão de quem foi secretário de Saúde; era do PSDB na ocasião e perdeu para Vanderlan Cardoso, que estava no PL. Em 2012, Alsueres se elegeu vice-prefeito na chapa do atual prefeito Misael Oliveira.

Porém, mesmo sendo vice-prefeito eleito, Alsueres não se considera parte da administração. “Alguém faz parte de uma gestão, quando ajuda a administrar. Não fui valorizado, então não me considero parte. Até por isso sou candidato a prefeito. Se tivesse sido parte, não seria”, diz.

Suas principais bandeiras de campanha são a segurança, a saúde e o saneamento básico, especialmente com foco na coleta de lixo. “A cidade hoje tem um problema com a coleta. Vamos resolver isso”, afirma. Além disso, Alsueres pretende capitalizar sua vice, Kátia Maria dos Santos (PT), que é da área da educação, outro tema que receberá a atenção do candidato, caso ele vença as eleições. “Minha vice tem projeção. É um nome novo”, relata Alsueres, que tem projetos para a área da educação inclusiva e profissionalizante.

Para a segurança, tema sensível nestas eleições, Alsueres propõe, entre outras coisas, integrar e modernizar as ações municipais de segurança pública de forma transparente e participativa, além de adotar um modelo de gestão integrada de segurança pública municipal com representantes da sociedade, de outros poderes (Legislativo e Judiciário), além de outras esferas de governo (estadual e federal). Outra proposta é alterar a estrutura do Gabinete de Gestão Integrada de Segurança Pública Municipal, além de criar um sistema municipal de videomonitoramento.

Como médico, o candidato não poderia deixar de falar de saúde. Sua principal proposta é construir o Hospital de Urgências e o Hospital Infantil para atender a demanda do município, algo que é também um pedido da população. “Temos ouvido as pessoas e vamos reformulando nosso projeto de acordo o que escutamos. Fazemos uma campanha enxuta, mas firme. Temos realizado cerca de 10 visitas por dia para estar em contato com as pessoas”, relata.

Alsueres Mariano: “Vamos construir um hospital”; Franco Martins: “Estou mais preparado agora”; Divino Lemes: pode ter a candidatura impugnada; Zélio Cândido: “Vou criar mais quatro polos industriais” | Fotos: Divulgação/Assessoria

Alsueres Mariano: “Vamos construir um hospital”; Franco Martins: “Estou mais preparado agora”; Divino Lemes: pode ter a candidatura impugnada; Zélio Cândido: “Vou criar mais quatro polos industriais” | Fotos: Divulgação/Assessoria

Franco Martins (DEM)

Goiano de Firminópolis, cidade a pouco mais de 100 quilômetros da capital, Franco Martins (DEM) é um jovem empresário que cresceu em Senador Canedo. “Fiz minha vida na cidade, onde me tornei bem sucedido e é por isso que quer ser prefeito: em gratidão à cidade, quero contribuir com o conhecimento que adquiri para fazer o município ser uma referência para Goiás e para o Brasil”, diz.

Franco foi candidato a prefeito na última eleição. Ele conta que, na ocasião, foi convidado para se candidatar a vereador, mas, analisando o quadro, preferiu se lançar a prefeito. Obteve mais de 16 mil votos e ficou em segundo, perdendo para o atual prefeito Misael Oliveira. “Apesar de não ser conhecido e não ter berço político, consegui ter uma boa votação. Agora, passei a conhecer melhor os problemas da cidade e também as soluções. Estou mais preparado”, relata.

O candidato afirma focar suas propostas, em um primeiro momento, em segurança pública, saúde e educação. “Precisamos estruturar a Guarda Municipal, que é agente de prevenção na cidade. Na área da saúde, não dá mais para ver mulheres e crianças esperando em filhas às 5 horas da manhã. E na educação, as creches precisam ter horário estendido. É desumano fazer com que mães busquem seus filhos às 17 horas. É preciso lembrar que muitas delas trabalham”, argumenta.

Outra questão relevante em seu governo, caso vença o pleito de outubro, será a infraestrutura. “Não se pode construir uma cidade e depois expandi-la de maneira horizontal sem antes fazer a estrutura básica. Senador Canedo precisa ter rede de esgoto. Começaram a fazer, mas isso precisa ser terminado. Então, vamos fazer. A gestão municipal precisa planejar melhor suas ações. É nisso que vou focar minha gestão”.
Franco, que morou na Europa durante cinco anos, diz ter aprendido muito sobre administração pública e também sobre como resolver os problemas de uma cidade. “Senador Canedo precisa ser referência para o País e isso demanda modernização. Vou fazer uma gestão moderna, fomentando a atração de indústrias. A cidade precisa se desenvolver”, afirma.

Um dos projetos do candidato diz respeito a um polo turístico. “Faremos uma parceria público-privada para atrair as grandes empresas do turismo no Brasil para Senador Canedo. A cidade fica muito próxima de Goiânia e está pronta para isso. Esse polo deve gerar mais de 5 mil empregos diretos e indiretos na cidade, além de resolver outra demanda que são os estágios. Nossos jovens, hoje, precisam ir a Goiânia, enfrentando um transporte público de má qualidade”, sustenta.

Divino Lemes (PSD)

Divino Lemes é um nome antigo da política de Senador Canedo. É considerado o primeiro prefeito da cidade, visto que a geriu quando de sua emancipação, em 1989. Filiado ao PSDB, Divino se elegeu prefeito duas vezes, em 1996 e em 2000. Em 2004, apoiou Alsueres Mariano, que perdeu para Vanderlan Cardoso, que também derrotou o próprio Divino em 2008.

Hoje no PSD, Divino tem fama de assistencialista. Um político da cidade comenta: “Ele fez uma gestão que foi boa para a cidade pequena que era Senador Canedo em sua época. Por isso, tem boa imagem perante à população mais antiga. A cidade agora cresceu e está entre as maiores do estado”.

Conhecido da população, Divino tem feito uma campanha boa e com chances de vitória, mas deve esbarrar em questões judiciais. Constam contra ele algumas condenações na Justiça, boa parte de primeira instância, seja em Senador Canedo ou no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1). Assim, mesmo estando na lista dos inelegíveis divulgada pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), ele pôde registrar candidatura.
Contudo, outra condenação deverá deixá-lo de fora da disputa este ano. No dia 19 de julho, o magistrado Roberto Horácio de Rezende manteve a condenação de primeira instância proferida pelo juiz Thulio Marco Miranda em junho do ano passado. A decisão é de segundo grau, o que torna Divino inelegível — a condenação diz respeito a uma doação irregular de terreno público feita por Divino, que era prefeito, a uma empresa de eventos com fins lucrativos particulares, o que configura improbidade administrativa e suspende seus direitos políticos.

Foi baseado nisso que o Ministério Público de Goiás (MP-GO) pediu, na sexta-feira, 26, a impugnação da candidatura de Divino. A ação é da promotora eleitoral Marta Moriya Loyola, da 40ª Zona, que afirma que o candidato foi condenado à suspensão de seus direitos políticos “por ato doloso de improbidade administrativa, que resultou em lesão ao patrimônio público e enriquecimento ilícito, motivo pelo qual está inelegível”.

Dessa forma, a promotora requereu que seja declarada a causa de inelegibilidade do candidato e a negativa ao seu registro de candidatura a prefeito, ou ainda a de­claração de nulidade de seu diploma e a extinção de seu mandato, “a depender do momento de trânsito em julgado do provimento judicial a ser proferido”. Em outras palavras, mesmo se vencer a eleição, Divino poderá não assumir o cargo ou ser cassado.
A reportagem tentou, por várias vezes, falar com o candidato, buscando ouvir sua posição sobre o assunto. Contudo, Divino não atendeu às ligações do Jornal Opção em nenhuma das tentativas.

Zélio Cândido (PSB)

Goiano de Ipameri, Zélio Cândido é o único dos cinco políticos que nunca disputou nenhum cargo eletivo. Candidato a prefeito pelo PSB, Zélio tem como principal apoiador o ex-prefeito da cidade e atual candidato a prefeito de Goiânia, Vanderlan Cardoso, que é muito bem avaliado pela população canedense.

Questionado sobre ser o único candidato que nunca disputou a Prefeitura do município, enfrentando inclusive dois ex-prefeitos, Zélio diz: “Como Vanderlan, eu sou um administrador e não um político profissional. Eu sei como administrar. Fui secretário de Indústria Comércio durante o mandato de Vanderlan e trouxemos para a cidade várias empresas e criamos quatro polos industriais. Baseado nesse bom trabalho, Vanderlan me convidou para assumir esse projeto e eu aceitei. Por isso, sou candidato”.

Empresário do ramo de combustíveis, Zélio diz que uma de suas principais propostas será ampliar a atração de empresas e indústrias para a cidade. “Nós criamos, durante o mandato de Vanderlan, quatro polos industriais e, agora, nosso plano de governo tem o projeto de criar mais quatro polos. A cidade está em um momento muito difícil, com uma crise alta, então vou andar o País todo, como fizemos na época, para atrair empresas e gerar e empregos”, afirma.

O empresário conta que realizou uma pesquisa na cidade chamada “Canedo de Todos”. Nesse levantamento, ele entendeu que a principal demanda da população é segurança. “Estamos buscando projetos novos para a cidade. Vamos recriar a secretaria de Segurança Pública Municipal e ampliar o sistema de videomonitoramento, além de criar um projeto chamado ‘Bairro mais seguro’. Fomos a Paulínia (SP), que é a cidade mais segura do Brasil, e pegamos o modelo do projeto. Vamos fazer igual”, explica.

Outras questões que o empresário afirma que pretende se atentar são saúde e educação. “Vamos renovar a cidade para fazer a cidade voltar a crescer”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.