Adalberto de Queiroz
Adalberto de Queiroz

Érico Nogueira: “a palavra desocultante” da poesia

Sabe o cronista estar diante de um grande, mas sequer sabe tirar da poética deste escritor no vigor criativo da sua quarentena de anos o sumo do saber acumulado

O livro “Quase Poética” se impõe diante do leitor como um desafio de aprendizado e comunicação

Esta crônica não tem compromisso com o presente, nem com uma ou outra circunstância que possa sitiar o cronista enquanto a escreve ou a você, leitor, quando estiver a lê-la – e o tempo já terá consumido a ânsia de escrevê-la. O tempo se estará consumindo agora que você a lê, similarmente a quando foi composta.

Ora, sabemos por Santo Agostinho que “o tempo é a imagem móvel da Eternidade”. Nada haverá, pois, que possa resistir à memória fugaz da crônica que não seja o olhar do Eterno e para o Eterno.

Tudo flui, ensinava Heráclito de Éfeso, retomado pelo filósofo (e bom cronista) Vicente Ferreira da Silva[i]. E tudo flui porque “existir é coexistir”. Tudo flui porque “uma só coisa é em nós o vivo e o morto, o desperto e o adormecido, o jovem e o velho; unicamente que ao inverter-se umas resultam as outras e, ao inverter-se estas, resultam aquelas.”

E é nesse “fluidismo absoluto” – recorda-nos Ferreira da Silva – que “todas as ilhas do ser [são] dissolvidas no rio ilimitado do vir a ser”. Os coros das tragédias, ao tempo de Heráclito, os oráculos misteriosos e os búzios lançados ao nosso redor, nenhuma Sibila antiga ou hodierna dão conta com mesma eficácia do que a Poesia, quando é a Sabedoria o que se pode arrancar do “vir-a-ser”, da compreensão da passagem do tempo diante de nossas rotinas e retinas cansadas.

Ao homem do século 21 – a quem pouco importa uma Paideia, e em que a Poesia não passa de um divertimento reservado a uns poucos; ela mesma Poesia, quase um ritual para iniciados, também pouco resta-nos para além da ansiedade que a todos domina –, insisto, a Poesia é mais do que necessária em “tempos de penúria”

As iluminações dos poetas, o visionarismo (e o exemplo) dos Santos e dos heróis situam-se num patamar de importância significativamente maior para todos nós, de Heráclito a Vicente Ferreira da Silva. Eis o caminho para os homens que ainda são capazes de ter Esperança, nesta era sombria, mais, muito mais do que buscar incessantemente as “pálidas abstrações de nossa ciência vã.[ii]

São Bernardo

Numa das mais ricas fases da Idade Média (o século 12), o Santo que em si resumiu o século – Bernardo de Claraval –, relia o livro Sagrado e anotava em seus sermões: “Por que te deprimes, ó minha alma, e te inquietas dentro de mim? Espera em Deus, porque ainda hei de louvá-lo: Ele é minha Salvação e meu Deus[iii]“. E respondia poeticamente:

Este é o meu desejo quando o erro rouba nossa razão,
a angústia toma nossa disposição e cada temor
se apossa de nossa memória.”

O desejo de São Bernardo é que aos monges aconteçam essas coisas que sempre desejamos, e ele desejou a seus filhos (que é como carinhosamente os designava Bernardo); a saber: “uma maravilhosa serenidade, abundante doçura e eterna perseverança que transborda”.
O primeiro desses desejos será realizado pelo Deus da Verdade; o segundo, pelo Deus de Amor e o terceiro pelo Deus Todo-Poderoso.

– Como reunir tais virtudes num só coração humano – a serenidade, a doçura e a perseverança? É indagação natural do meu interlocutor invisível, o que me ronda os textos, por sobre os ombros, sempre a me dar conselhos válidos para a boa consecução dos meus propósitos.

A oração e a leitura do “Livro Sagrado”, o jejum, a penitência podem prover os dons desejados. No campo do terreno, o que mais se aproxima disso é a Poesia.

Um grande poeta

Érico Nogueira: sabe-se logo que se está diante de alguém acima da média que pode ensinar porque teve a humildade de aprender

Pequenas alegrias que nos são prêmio perene, como este sobre o qual falarei. Tenho diante de mim o livro do jovem poeta e professor de literatura Érico Nogueira (“Quase Poética”) – um livro que se impõe diante do leitor como um desafio de aprendizado e comunicação. Sabe o cronista estar diante de um grande, mas sequer sabe tirar da poética deste escritor no vigor criativo da sua quarentena de anos o sumo do saber acumulado.

Sabe-se logo que se está diante de alguém acima da média que pode ensinar porque teve a humildade de aprender. Acima porque tomou a “poesia como autodescoberta; autoanálise. autoconhecimento.” Eis-nos diante de um livro de múltiplas possibilidades de aprendizado – da polêmica com Domenek até os estudos sobre a poesia de Leopardi e de Friedrich Hölderlin, da carta de Hugo von Hofmannsthal à “Arte e Moral…” (estudo dedicado ao polêmico e emérito filósofo Olavo de Carvalho). Eis-nos diante de um escritor a quem tiro o chapéu porque é dos raros que sabem aprender. E a quem, por essa razão mesma de que achou o mestre certo na hora adequada, perdoamos até os excessos e um certo pedantismo – característico dos poetas geniais.

Nogueira plantou-se entre os grandes desde sua mais tenra idade. O homem simples que gosta de futebol e cerveja, bebeu o vinho dos gregos e latinos, olhou de frente, na condição de “protopoeta em seus dezoito anos”,  depois de ter pego uma insolação, sob o sol da caatinga em que reside a poesia do modelar João Cabral de Melo Neto. Teve a chance de ser pupilo de Bruno Tolentino, de beber na Tradição, podendo então escrever uma (quase?) poética para o século 21.

Para Érico, em poesia… bem, há suor em “meio a uma longa e tortuosa tomada de consciência. “Melhor ficar quieto… [Afinal], “There is no singing school but studying / monuments of its ow magnificence” – o velho Yeats já dizia!  E finalmente, Érico Nogueira estreia com uma cara de clássico, que é para onde volto meus olhos, de modo a retirar a poeira da ansiedade derivada do fluidismo absoluto: Hölderlin.

O poeta Érico e o filósofo Vicente aqui se aproximam pela via da contradição. Vicente[iv] dissera nos idos dos anos 60 que “o pensamento só pode pensar o que foi “aberto” pela palavra “desocultante da poesia”. Logo, eis a síntese no crítico-poeta Érico de “Quase poética”.

O poema transcrito pelo crítico Nogueira como exemplo da “mistura de helenismo e messianismo” intitula-se “Curriculum vitae[v]” e foi traduzido por Érico e incluído no seu livro de estreia (“O Livro de Scardanelli”), sob o título de “Envoi”:

Curriculum Vitae – Friedrich Hoelderlin

“Querendo ser maior, vi que o amor
rebaixa tudo, a cólica nos curva;
o nosso arco não acerta a fruta
se a sua corda não estoura.

Em noite densa, em que não luz a lua,
quando a natura sonha um outro astro,
me achei no fundo Orco, tão bizarro,
tão arredio ao nosso olho:

isso eu vivi. Pois nunca, nunca os deuses
permitiriam que eu vivesse o mesmo
que esses mortais, e que como um covarde
me arrastasse ao rés-do chão:

não, não, que minha boca prove tudo;
a tudo grata então, que ela se abra;
que eu seja um sol, que só de mim dependa
pra levantar, ser tudo ou nada.”

Aí está uma amostra do Érico analista-crítico. O que diz um homem simples, ligado às mais caras tradições brasileiras da cerveja-e-futebol – que é, na verdade, um sofisticado leitor dos clássicos, um poeta-pensador da cultura, um que encontrou uma forma de dizer em meio ao fluidismo que nos envolve a todos –, direto da Academia em que ensina (como ensinam Geoffrey Hill e outros poetas ligados ao Ensino). Ele, Érico, que como Wladimir Saldanha e João Filho se inscrevem entre os que, certamente, comporão o cânone deste século 21.

O cronista reata os bilros do início desta jornada. Exalto a bela aula que está no livro “Quase poética” – humilde no título como no da estreia drummondiana “Alguma Poesia” – para dizer aos meus seis leitores:

– Leiam o Érico, poetas! Leiam o Érico, leitores e amantes da poesia! Leiam o Érico, contadores, comerciantes, professores de literatura e de botânica. Leiam-no: é alegria garantida encontrar um poeta-crítico-professor de tão alta estirpe, entre nossos contemporâneos, um que sabe o significado da “maravilhosa serenidade, da abundante doçura e da perseverança que transborda”; um que sabe ainda se alegrar com os que se alegram; um que confessa padecer de inveja por poucos semelhantes (e quando diz, já se faz digno do perdão consolador), como a declarada pelos poetas baianos Wladimir Saldanha e João Filho.

Mediação externa

Até a expressão dessa “inveja” parece-nos ser da natureza de uma “mediação externa” (Girard), onde o modelo enseja o conflito, mas fazendo deste motivo de pura especulação intelectual, produzindo Cultura, de uma forma agregadora, aproximando-nos da mímese criadora que gera Civilização (cf. João Cezar de Castro Rocha).

Isso se dá em termos que o torna um invejoso simpático, aquele capaz de dizer sobre o livro “Lume Cardume Chama” (Wladimir Saldanha):

– Que livraço, pungente, singelo e ingênuo bem neste sentido de que falamos [Érico comentava “As Horas de Katharina” e o poema exordial “Adeus”, de seu mestre Bruno Tolentino]. E prossegue na mesma linha: “Queria escrever como ele [Wladimir], ah queria, este é um dos melhores livros de poesia que tenho lido nos últimos tempos, ao lado de “A Dimensão Necessária” do também baiano João Filho (que definitivamente não integra o time dos líricos “puros”, porém).”

É esse poeta-crítico a quem apresento como mestre (para mim maior que o doutor a que tem direito por titulação acadêmica!), mestre no sentido original do que constrói uma Paideia, daquele que está apto e sabe ensinar, diante de quem nos fazemos aprendizes, apesar da diferença de idade e da vivência, sim, sabemos que um poeta assim é capaz de expressar-se com a simplicidade dos nobres, “que alegria ler fulano”, ou, “que feliz fortuna a minha” por ter as primícias da obra de um poeta novo – ou sobre uma obra que lhe é enviada para escrutínio de especialista.

Só nos resta, amparados num filósofo e em um santo, saudar o Érico Nogueira, que nos premia com sua poética. Salve a poética da humildade nobre que só aos grandes os deuses reservam.

Adalberto de Queiroz, 62, é jornalista e poeta. Autor de “Frágil Armação” (2ª. ed., Editora Caminhos: Goiânia, 2017). E-mail: [email protected]

[i] Vicente Ferreira da Silva, “Transcendência do mundo: Obras completas”. Org: Petronio, Rodrigo. Posfácio: Julián Marías; Agostinho da Silva; Per Johns e Dora Ferreira da Silva. É Realizações, 2010.

[ii] Vicente Ferreira da Silva, livro citado, pág. 278.

[iii] Bíblia Sagrada, Salmo 42:5.

[iv] Vicente Ferreira da Silva, livro citado, pág. 269.

[v] NOGUEIRA, Érico. “Quase poética”. Campinas, SP: Vide Editorial, 2017, p.180-1.

 

Deixe um comentário