Reeleito no primeiro-turno com 51,81% dos votos válidos, o governador Ronaldo Caiado (União Brasil) votou na manhã deste domingo, 30, em Nova Crixás, na região Norte do Estado. Ele foi o primeiro a votar em sua seção, por volta das 8h. Ele reforçou que o resultado das urnas deve ser respeitado. Em seguida, acompanhou a primeira-dama Gracinha Caiado que votou em uma escola de Goiânia. O chefe do Executivo goiano declarou no início deste mês apoio ao candidato Jair Bolsonaro (PL) para o segundo turno das eleições presidenciais.

Após a votação, o governador comentou que o pleito é um momento emblemático. “A consolidação da democracia acontece com o processo eleitoral, que identifica a vontade da população. Hoje estamos decidindo os rumos do Brasil”, afirmou. “Temos de respeitar o resultado das urnas. Esta é a máxima da democracia: a vontade do povo”, ressaltou o governador.

Nova Crixás é domicílio eleitoral do governador desde 1989, quando foi candidato à presidência da República. Médico e proprietário rural, na época Caiado mudou o local de sua votação com o objetivo de chamar a atenção do País para a relevância do interior e do agronegócio.

Ao relembrar a eleição de 1989, Caiado destacou que em 2022 se repete uma campanha que consolida a democracia no país. “Vamos aguardar os resultados a partir das 17 horas. Tenho certeza que esse Brasil vai, cada vez mais, continuar crescendo, desenvolvendo e melhorando”, finalizou.

Depois de votar em Nova Crixás, o governador Ronaldo Caiado retornou a Goiânia e acompanhou a votação da presidente de honra da Organização das Voluntárias de Goiás (OVG) e coordenadora do Gabinete de Políticas Sociais (GPS), primeira-dama Gracinha Caiado. Ela votou por volta das 11h30, no Externato São José, no Setor Oeste, na Capital.

Segurança

Em Goiânia, o governador falou que a eleição ocorre em clima de tranquilidade. “Falei com o secretário de Segurança Pública (Coronel Renato Brum) e os relatórios não têm nada de relevante. Todas polícias estão dando total garantia de segurança a todos os eleitores. O eleitor vai para a urna com a certeza de exercer seu voto sem constrangimento”, pontuou.