Marconi Perillo começa a remontar o xadrez político para o grande jogo da eleição de 2018

marconi-perillo-foto-

Governador de Goiás, Marconi Perillo

Política é essencialmente articulação. Mas há momentos em que as articulações são mais lentas e, de repente, aceleram-se — até pela premência das datas, como as das convenções partidários, quando ocorrem os afunilamentos. A urgência assemelha-se ao samba do crioulo doido. Na semana passada, quase do nada — mas é preciso verificar que o PMDB e o PSDB, ao menos tem termos nacionais, irmanaram-se mais uma vez —, setores do tucanato e do peemedebismo chegaram a articular uma aliança em Goiânia. Se estabelecida, seria uma prova de civilização, de que novos tempos chegaram à política de Goiás, com o discurso do ódio, entre iristas e marconistas, cedendo à maturidade dos novos tempos. Entretanto, como houve reações viscerais, notadamente na cúpula do PMDB e do DEM, a aliança foi por água abaixo. Há uma tendência, em alguns círculos, de se avaliar que cada eleição joga sua própria e tem sua singularidade. Não deixa de ser verdade, mas não é a verdade toda.

A realpolitik sugere que há um político articulando para além de 2016, ou melhor, vários políticos. O governador Marconi Perillo é um ás da política e sabe que ninguém fica no poder eternamente, sobretudo se não renova o próprio grupo. O exemplo gritante de debacle motivada por falta de percepção tanto da história quanto da dinâmica do presente é a cúpula do PMDB, que jamais soube se renovar. Em cinco eleições, mesmo ficando patente que era preciso mudar, a cúpula estadual bancou apenas dois políticos para a disputa — Iris Rezende, três vezes, e Maguito Vilela, duas vezes. Equivale a 20 anos (que se completarão em 2018).

Dife­rentemente dos peemedebistas, Marconi Perillo está de olho no que está acontecendo (e no que pode acontecer) e, mesmo sem que parte de sua base política perceba o que está fazendo, está movendo as peças do xadrez político, tentando atrair novas forças para sua aliança política. Nada é fácil e nem sempre acerta. Em 1998, se tivesse aceitado a aliança com o PSDB, o grupo de Iris Rezende teria se mantido no poder. Em 2018, com a possibilidade de compor com o PMDB, o grupo de Marconi Perillo poderia, quem sabe, manter-se no poder.

Como todo político habilidoso, Marconi Perillo não joga tão-somente num front — quase sempre milita entre dois ou três. A aliança com o PMDB não deu certo, mas a jogada política permitiu uma recomposição com Vanderlan Cardoso, candidato do PSB a prefeito de Goiânia — bancado pela senadora Lúcia Vânia. Ao integrar a base governista, ainda que diga que vai manter certa independência, sobretudo em relação aos seus projetos, o líder socialista se tornará, ganhando ou perdendo a prefeitura, um importante aliado do tucano-chefe e de seu candidato a governador em 2018. É uma peça a mais, e importante, na armação do jogo político. Armando Vergílio e o deputado Lucas Vergílio, ao apoiarem Vanderlan Cardoso, não estão dizendo que voltaram para base governista, mas ao menos retiraram o Solidariedade dos braços do PMDB de Iris Rezende.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.