4 mulheres querem ocupar vaga de desembargadora no Tribunal de Justiça de Goiás

Antônia Chaveiro, Arlete Mesquita, Rosângela Magalhães e Sônia Caetano querem entrar na lista da OAB e do TJ

Antônia Chaveiro, Arlete Mesquita, Rosângela Magalhães e Sônia Caetano: quatro mosqueteiras da advocacia goiana

Reportagens de jornais e articulações de advogados mencionam que são favoritos para de­sem­bargador do Tribunal de Justiça de Goiás — trata-se do quinto constitucional — Danilo de Freitas, Fernando Navarrete, Ju­berto Jubé e Alexandre To­can­tins. São profissionais competentes e reconhecidos pela ca­tegoria. No entanto, falta formular duas perguntas tão simples quanto cruciais: “Cadê as mu­lheres? Por que escondê-las?” O desafio foi proposto por Rosana Faleiros e mais duas mulheres.

Há mulheres no páreo para tentar substituir o desembargador Geraldo Gonçalves, que, doente, aposentou-se. Elas querem figurar na lista sêxtupla que a OAB irá enviar, brevemente, ao Tribunal de Justiça. O Judiciário, por sua vez, produzirá uma lista tríplice e a enviará para o governador — que, a partir de 7 de abril, será José Eliton, pré-candidato a governador de Goiás pelo PSDB.

As quatro advogadas mais destacadas, com mais apelo na a­cirrada disputa, são Arlete Mes­quita, Rosângela Maga­lhães, Antônia Chaveiro Mar­tins e Sônia Caetano Fernandes. São preparadas, cultas e experientes.

Formada pela Uni-Anhan­guera, Arlete Mesquita é uma advogada tanto qualificada quanto participante das lides advocatícias. Participa de debates nos meios de comunicação.

Antônia Chaveiro, graduada pela Universidade Federal de Goiás, é professora na Uni­ver­sidade Salgado de Oliveira. “An­tônia Chaveiro é competente e, com sua formação de jurista, con­tribuiria para arejar o Tribu­nal de Justiça”, afirma uma aliada.

A criminalista Rosângela Magalhães é uma espécie de Messi da advocacia. Com­pe­ten­te e atuante, é sócia do escritório Magalhães e Bittencourt Socie­da­de de Advogados e professora na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO) e na Universidade Paulista (Unip). “Rosângela Magalhães é o que se pode chamar de uma ‘força da natureza’. E é uma coragem inaudita”, frisa uma aliada.

Sônia Caetano Fernandes tem atuação múltipla: é advogada, me­diadora, professora e palestrante. Ela é sócia da Medialle, Câmara de Medicação e Conciliação.

Caroline Ávila Marques Sandre, que havia sido mencionada como postulante à vaga, não está na disputa.

O Tribunal de Justiça de Goiás tem 36 vagas e apenas oito são mulheres. 28 são homens.

Deixe um comentário