Vereador Zander Fábio é denunciado por participação no esquema de desvios no Mutirama

MP-GO acusa parlamentar de ter usado mandato para receber dinheiro desviado das bilheterias

Gaeco durante coletiva de imprensa| Foto: Larissa Quixabeira/ Jornal Opção

O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) anunciou, na manhã desta sexta-feira (25/8), que denunciou o vereador por Goiânia Zander Fábio (PEN) por participação no esquema de desvios de recursos públicos dentro da Agência Municipal de Turismo e Lazer (Agetul).

Segundo as investigações, o parlamentar, eleito em 2012 e reeleito em 2016, fez uso do mandato para articular a nomeação de aliados em locais estratégicos, incluindo o ex-presidente Dário Paiva, com o objetivo de facilitar o recebimento de dinheiro desviado das bilheterias do Mutirama e do Zoológico de Goiânia.

Além dele, Dário Paiva e outros nove servidores e ex-servidores foram denunciados nesta primeira fase. As informações são concedidas pelo responsável pelas investigações, promotor Ramiro Carpenedo.

O MP-GO também pediu o afastamento de Zander Fábio do mandato de vereador.

Caso

A operação, que foi batizada de Multigrana, já teve duas fases e pode ter causado um prejuízo de aproximadamente R$ 3 milhões aos cofres públicos.

As investigações indicam que a organização criminosa aproveitava-se da dificuldade de monitoramento dos valores referentes aos ingressos dos parques, pagos sempre em dinheiro nas bilheterias, e atuava de dois modos principais: caso os bilhetes já utilizados fossem descartados de forma intacta, eram reaproveitados e “vendidos” novamente.

Por outro lado, se os bilhetes fossem rasurados ou rasgados, fazia-se uma duplicação e reimpressão desse ingresso, devolvendo para o caixa, para contabilização do dinheiro a menos. Nos dois casos, os valores com a segunda venda dos ingressos ficavam com o grupo.

Estimativas iniciais apontam que a organização desviava cerca de R$ 60 mil por fim de semana de funcionamento.

1
Deixe um comentário

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
rachan

Concluindo, resta às vítimas, ou seja, aos consumidores (art. 22, do CDC), que confiaram nos serviços públicos do parque, ajuizarem ações de indenização por danos materiais e morais em desfavor da prefeitura de Goiânia – GO, com fundamento no art. 14, § 1.º, da Lei Federal 8.078/90, por tratar de problema de defeito ou fato do serviço, com prazo para propositura da ação de 5 (cinco) anos, iniciando-se a contagem do prazo a partir do conhecimento do dano e de sua autoria conforme art. 27, da mesma lei.