Vereador e presidente da Câmara de Goiânia batem boca e trocam acusações

Paulo Magalhães chamou Anselmo Pereira de “ditador”, que rebateu com mais ataques. Não é a primeira vez que os dois se estranham

Paulo Magalhães e Anselmo Pereira | Fotos: Alberto Maia

Paulo Magalhães e Anselmo Pereira | Fotos: Alberto Maia

O presidente da Câmara Municipal de Goiânia se envolveu, mais uma vez, em um bate-boca com um vereador. Paulo Magalhães (PSD) — que também sempre está metido em polêmicas — trocou acusações com Anselmo Pereira (PSDB) na sessão desta quinta-feira (10/11).

Tudo começou quando o pessedista subiu à tribuna para fazer denúncias sobre proliferação de larvas do mosquito da dengue. Contudo, mal começou a mostrar fotos, quando parou para chamar atenção da mesa diretora.

Anselmo não gostou nada do “puxão de orelha” do colega e rebateu dizendo que não é obrigado a ficar prestando atenção nele, que o vereador deve falar é “com o povo de Goiânia”. Armou-se o barraco.

Paulo Magalhães chamou o presidente de “ditador” e disse que sua gestão é pior que a ditadura de 1964. “Vossa Excelência é o presidente da zorra, não aceito interferir na minha fala, tempo da ditadura já passou. Meu voto vale tanto quanto o seu e não comprei os meus. Conquistei com trabalho”, disse, após ter sido interrompido pelo tucano.

Anselmo chegou a se levantar da mesa e, em um momento, foi possível vê-lo chamando o colega de “bandido” fora dos microfones. “Tome cuidado, o sr. é conversa fiada, olha minha vida em relação a sua. Tome vergonha na cara! Vá denunciar essas baboseiras, como você faz todo dia”, devolveu.

A discussão chegou ao nível de Paulo Magalhães ameaçar “revelar a história” de Anselmo: “Agora, vejam só, o comportamento de um presidente desequilibrado. Filhote da ditadura, eu lutei contra, fui preso na Praça do Bandeirante. E não tenho compromisso com grupos econômicos.”

Depois do bate-boca, o vereador Felisberto Tavares (PR) subiu à tribuna para criticar Paulo Magalhães e denunciá-lo por “dominar” um Centro de Referência de Assistência Social (Craas), localizado na Vila Redenção. Anselmo Pereira aproveitou para ironizar o adversário e disse que irá pedir ao prefeito a demissão da funcionária do local, supostamente ligada ao pessedista.

Ao final, Paulo Magalhães pediu a gravação da sessão para poder entrar com uma representação contra o presidente.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.