Vereador denuncia prejuízo de R$ 3 milhões em permuta de área pública em Goiânia

Elias Vaz (PSB) quer cancelamento da troca. Segundo ele, terreno é valioso para setor imobiliário e foi subavaliado pelo Executivo

Apesar do laudo da prefeitura dizer que área vale cerca de R$ 2,5 milhões, levantamento do vereador aponta que valor real é de quase R$ 6 milhões | Foto: Reprodução

O vereador Elias Vaz (PSB) denunciou, nesta quinta-feira (9/2), que a Prefeitura de Goiânia estaria permutando uma área municipal que vale quase R$ 6 milhões por um prédio particular que valeria a metade deste valor. A área tem quase 6,5 mil metros quadrados e está localizada em frente ao Parque Macambira Anicuns.

Já o imóvel que passaria a ser da prefeitura é localizado na rua 20, no Centro, e seria utilizado para instalar a Casa da Acolhida no local. Segundo Elias, a permuta foi autorizada pelo ex-prefeito Paulo Garcia (PT), no último dia útil de seu mandato, e os dois laudos de avaliação dos imóveis foram feitos pela prefeitura no mesmo dia 27 de dezembro, apenas três dias antes da assinatura do contrato.

Apesar de os documentos afirmarem a área do Macambira valeria R$2.599.799,74, o vereador fez um levantamento que apontou que o metro quadrado na região custa em torno de R$895, o que resultaria em um valor final de R$ 5,81 milhões. “É um verdadeiro crime contra a sociedade. O Município não pode abrir mão de um montante tão alto, principalmente na situação caótica das finanças municipais”, defendeu ele.

Além de denunciar a suposta subavaliação do terreno, o vereador acusou a prefeitura de fraude. De acordo com ele, a permuta foi justificada com um laudo que afirmaria que não é permitido construir prédios na área do terreno público o que, afirma, é mentira. “A lei permite o adensamento no setor. De acordo com o cálculo que nós fizemos, é possível construir quase 200 apartamentos no terreno que a prefeitura entregou a particulares. É uma área muito valiosa”, declarou.

Para denunciar o prejuízo da prefeitura, o vereador entregou uma representação para o promotor Rodrigo Boleli, do Patrimônio Público. Ele também vai notificar o atual prefeito, Iris Rezende (PMDB), para cancelar a troca. “Ninguém, em sã consciência, pode fazer um negócio tão ruim. Estou certo de que alguém levou vantagem nisso e vamos até o fim para saber quem são os responsáveis.”

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.