Tráfico em Anápolis: 19 policiais civis e PMs são denunciados

De acordo com o MPGO, eles teriam praticado homicídios e extorsão. Agentes de segurança também disputavam espaço pela venda de drogas na cidade 

MPGO denunciou 19 policiais civis e militares MPGO | Foto: Ascom/MPGO

MPGO denunciou 19 policiais civis e militares MPGO | Foto: Ascom/MPGO

Os 19 suspeitos investigados na Operação Malavita, deflagrada em outubro do ano passado, foram denunciados à Justiça de Anápolis pelo Ministério Público de Goiás (MPGO). O total é de 17 denúncias criminais contra seis policiais civis e 13 militares, além de dois não policiais.

De acordo com o MPGO, a quantidade de denúncias poderá aumentar, já que o Poder Judiciário analisa outros fatos ligados aos casos. Novas diligências também serão requisitadas às corporações.

As investigações foram iniciadas há cerca de dois anos pela Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), a Força Nacional de Segurança (FNS), o Grupo de Controle Externo da Atividade Policial (GCEAP) do MPGO e a Corregedoria da Polícia Militar.

Na época, 20 dos 23 mandados de busca, apreensão e prisão foram cumpridos em Anápolis, Alvorada do Norte e Posse. Segundo os autos, agentes de segurança e civis estariam envolvidos com o tráfico de drogas.

Entre os crimes cometidos na disputa pelo espaço de venda de drogas foram listados homicídios, extorsão e sequestro, todos em Anápolis.

Abaixo, lista com os réus e os delitos cometidos.

Civis (não policiais):

Durben Mariel Carizzio Costa – usurpação de função pública qualificada, concussão e peculato
Fábio Henrique dos Santos – empréstimo ilegal de arma de fogo, organização criminosa e tentativa de homicídio

Policiais civis:

Luiz Carlos da Silva Bernardino – policial civil – usurpação de função pública qualificada, concussão e peculato
Marcus Vinícius Pereira Lima – policial civil – usurpação de função pública qualificada, concussão e peculato
Adolfo Pereira da Silva – aposentado – posse ilegal de munições de uso permitido e restrito e peculato
Manoel Pedro Ivo – concussão

Policiais militares:

Washington de Oliveira Filho – empréstimo ilegal de arma de fogo
Eric Chiericato – extorsão
Thiago Marcelino Machado – homicídio qualificado (cinco vezes), tentativa de homicídio, ocultação de cadáver, organização criminosa, extorsão (duas vezes) e roubo
Fabiano de Borba Ferreira – organização criminosa, extorsão (três vezes) e homicídio qualificado
Erick Pereira da Silva – organização criminosa, roubo, homicídio qualificado (duas vezes) e ocultação de cadáver
Thiago Lacerda Campos – organização criminosa e extorsão
Wenderson Silva Almeida (Bebezão) – organização criminosa, homicídio qualificado e extorsão
Wilker Pereira Torres (Boizão) – organização criminosa, extorsão, homicídio qualificado e tentativa de homicídio
Welton da Silva Vieiga – organização criminosa e extorsão
Victor Lemes Vaz da Costa – organização criminosa e extorsão
Márcio Antônio da Silva – organização criminosa e roubo
Raihom Severino Barbosa – organização criminosa
Lúcio Mariano Borges – organização criminosa

5
Deixe um comentário

4 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
Darlaine Jaisse Oliveira

Criminosos devem morrer na prisão muitos inocente foi morto por esses bandidos disfarçado de política. .

visitante

Vcs notaram q depois q eles foram presos investigados e denunciados o índice de homicídios daqui de anapolis baixou muito? ??? Quem são eles para sair matando?? Sao os piores bandidos para mim…

Maria Cleuza Alves de Sousa Borges87h3x

Estão todos livres, leves, soltos e de volta ao crime. Continuamos pagando seus salários.

Nayara

Parabens ate q fiim prenderam esses bandidos vagabundos q em vez d defender a sociedade estava era causando medo em todos, toumara q morram tudo na cadeia, mataram mt gnte inocente q n devia ter morrido.

Emanuelly Sabrina

Esperamos que tenha Justiça. foi homiçidios demais em Anápolis depois que eles forão descobertos parou bem mais. agradeçemos a Draco pelo belo trabalho que fiserão.