Sintego, um leão contra Caiado, era um gatinho com Marconi

O felino mudou de penugem até se tornar inteiro juba: a lua cheia no céu de Jataí na noite de 31 de dezembro para 1º de janeiro foi vista apenas pela direção da entidade

| Foto: Divulgação Sintego

Nilson Gomes

É a desestatização mais rápida da história mundial: apenas duas semanas após a posse, o governador Ronaldo Caiado promoveu a primeira privatização de seu mandato, a do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado. Nos quatro governos de Marconi Perillo, o Sintego era um departamento ligado ao chefe do Poder Executivo, uma repartição peleguenta do tipo 6 num mexe comigo, eu não mexo co6; Marconi é meu amigo, mexeu com ele, mexeu comigo; Marconi não tem defeito, Caiado se não tiver eu invento.

O felino mudou de penugem até se tornar inteiro juba: a lua cheia no céu de Jataí na noite de 31 de dezembro para 1º de janeiro foi vista apenas pela direção da entidade, uma pelegada que ganhou força mágica e de, plunct!, plact!, zuum!, virou liderança sindical sem prestígio algum e de miquinho amestrado se transformou em gorila aterrador.

Bruxarias à parte, o Sintego se omitiu em graves momentos durante os mandatos de Marconi. Caiado sacudiu a moita, o sindicato saiu de trás meio agachado, limpando as partes, deixou de miar e passou a rugir, estava de joelhos, se levantou mais bravo que siri na lata.

Onde estava o Sintego quando o marconismo usou o dinheiro da Educação para pagar a folha geral? Agora, o sindicato quer fazer greve porque o marconismo não deixou dinheiro para os salários de dezembro. À época, houve um crime com a verba federal do setor e a entidade que representa os profissionais ficou atrás da moita vendo a morte da bezerra.

Os dirigentes arrotam números para rebater Caiado, mas se omitiram quando o blogdojlb.com.br, do jornalista José Luiz Bittencourt Filho, informou que o então secretário de Educação, Marcos das Neves, o Tucano, havia se demitido por discordar do uso indevido dos recursos do transporte escolar. Em vez de mandar os caraminguás da locomoção dos alunos, o marconismo pagou salários. E o Sintego? Ficou mais tucano que o secretário no apelido e que a ave do PSDB.

(Aqui não há referência a José Eliton porque ele não chegou a ser governador, foi apenas o coveiro que pegou na alça do caixão entregue por Marconi com o Estado lá dentro já mortinho da silva. Conduziu o cadáver de 340.086km² deixado por Marconi e seu maior erro foi não expor as vísceras envenenadas por corrupção, incompetência e má gestão herdadas de seu dono. O papel de fantoche não lhe proporcionou nada de bom, nem voto: conseguiu ficar atrás até do ex-jogador de futebol Daniel Pastinha. Ser pau-mandado não lhe premiou sequer a obediência, pois agora é inimigo ferrenho de seu criador – Demóstenes Torres apenas o indicou para ser vice na chapa em 2010, mas Marconi se tornou seu pai político desde então.)

O site do Sintego, de audiência menor que a das emissoras do Estado, foi a única tribuna usada, numa nota insípida e escrita mal e porcamente como de hábito, quando o marconismo aprovou na Assembleia e sancionou, no finzinho de novembro passado, a lei complementar 171, opa!, 147, para incluir aposentadorias e pensões como investimento a preencher a exigência constitucional da Educação. Ninguém falou em greve geral, ninguém desenhou palavras de ordem em cartolina, ninguém bolou uma hashtag engraçada para achincalhar, ninguém chamou de caloteiro nem fez rimas desairosas contra o governador. Mês e pouco depois de assistirem impassíveis a essa inconstitucionalidade, olhem lá os corajosos do Sintego com cartazes pintando e bordando com o nome de Ronaldo Caiado. Um gaiato disse ter visto vários drones sobre os manifestantes na Assembleia enquanto bradavam contra a vítima de Marconi – como havia bico em todos, suspeita-se que fossem tucanos sobrevoando seus mamutes domesticados.

O Estado não tem obrigação de manter o ensino fundamental, mas há milhares de alunos em seus colégios cursando o 1º grau antigo. A nova secretária de Educação intensifica as tratativas com os municípios, que vão assumindo o seu dever de cuidar de crianças e pré-adolescentes. Pronto!, virou um pandemônio, que fulana está acabando com a escola em tempo integral, que isso e aquilo e aquilo outro. Nenhuma palavra sobre as prefeituras, todos os palavrões contra o Estado. Onde estavam esses destemidos quando o marconismo, ainda em primeiro mandato, acabou com 100% dos cursos profissionalizantes que funcionavam nos colégios estaduais? O Sintego pagou colégios particulares para os jovens pobres que pretendiam fazer Contabilidade, Administração, Enfermagem e outros cursos técnicos? Não, ficou de bolso fechado e bico (enorme) fechadíssimo.

Alguns falam também sobre a Bolsa Universitária, que transferiu R$ 2 bilhões dos cofres públicos para as burras dos donos de faculdades. Até jegue amarrado em beira de GO sabe que o programa começou blz e até hoje continua sqn. A tática dos malandros: a instituição de ensino superior aumenta a mensalidade no valor do benefício; se o governo pagar, tudo bem; se não pagar, bem também; quando pagar, embolsa e tá mais do que bem. Não se ouviu um resmungo do Sintego ao se conhecerem os desvios da bolsa em forma de panela. O marconismo deixou atrasar R$ 80 milhões e a máfia das IES vem pra cima do Caiado, com auxílio dos inocentes-úteis que querem enriquecer ainda mais os culpados-inúteis. Saiam pra lá, capetas! Vade retro!

Educação é o maior valor de um povo e deve ser prioridade na rotina de aplicação dos recursos, com interface em obras, esporte, lazer, economia, saúde, cidadania etc. Seus profissionais precisam de uma entidade forte para os representar. Mas não igual à atual camarilha do Sintego, que se importa com o tamanho do bico, não com o que o governante abocanha.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Gerson Neto

Sindicato pelego tem dias contados. O problema é que estão brigando com o fovernador que assumiu uma bronca imensa e não querem flexibilizar, já o governador pode tomar medidas de urgência que prejudicam ainda mais, principalmente os comissionados, mas os sindicatos não estão pensando de forma macro.

RICARDO TRINDADE

Marconi e caiado são a escória da humanidade em relação a gestão pública. Os funcionários públicos tem direito a receber seus salários e ponto.

Carlos Mota

Há muito tempo eu não lia uma matéria tão importante como esta. A análise racional sobre as atitudes dos dirigentes do Sintego e o governo “Marconista” são verdadeiras. Aponto ainda que a não exigência de concursos na Educação e os contratos especiais enfraqueceram a instituição. O medo de perderem o emprego fez com que reivindicações históricas como plano de carreira, cumprimento de data-base, e outras foram saindo de pauta. A entidade abandonou sua função durante o governo de Marconi Perillo. Os profissionais perderam direitos ao longo desse tempo. O sindicato se omitiu. Isto está nas entrelinhas do artigo acima. No… Leia mais

Moises Ferreira da Silva.

este sintego sempre foi uma máfia…nunca me enganou…

Oscar Gomes

Só quero receber i meu salário de Dezembro

Maria Brasilina ferreira barros

Concordo em parte com o seu texto. O Sindicato foi omisso sim, mas o governo Caiado não exitou em pagar ou não pagar o mês de dezembro do salário da categoria ( que muitos julgam ser de extrema importância ). A Educação é a segurança foram calotadas. E Sindicato é formado por gente, por trabalhadores que precisam receber para custear as necessidades básicas de um ser humano.

Mariana

O autor desse texto, que escreve muito bem, diga-se de passagem, me parece bastante tendencioso a defender o Caiado. Ninguém morria de amores pelo Marconi (principalmente depois que o mesmo cortou nossa gratificação de 30%) no entanto, nos dias atuais, o que mais se houve é que não há nada tão ruim que não possa piorar, e o Caiado em menos de um mês conseguiu desprestigiar a categoria mais do que o Marconi em dois mandatos consecutivos. E entre um ruim que pague em dia o salário e um péssimo que não pague (ressaltando a verba do FUNDEB), é desnecessário… Leia mais

Carlos Alexandre Lemos Morais.

Porque pagou mês de Dezembro do judiciário, Ministério Publico,ALEGO e diversos outros setores. Só não pagou as classes menos favorecidas. Salário não se discute e questão de alimentos se paga. E questão de dignidade humana. Parabéns Sintego .

jose humberto mariano

Texto tendencioso e de linguagem chula. Se estivesse no movimento sindical saberia que, atualmente, apenas atraso no pagamento mobiliza a categoria de trabalhadores.
Os sindicatos já foram massacrados pela famigerada reforma trabalhista. Não se faz necessário artigo de um jornalista vendido para jogar a pá de cal.

Magda Borges

Engraçado esse jornal, nas décadas marconistas defendia o Governo de unhas e dentes e agora usa o sindicato para palitar os dentes que não cerram contra o caiadismo. Estão a favor do mimismo caiadiano?

Thiago Oliveira Martins

Infelizmente a AMPG(ASSOCIAÇÃO MOBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES DE GOIÁS), gritou contra o Marconismo praticamente sozinha, inclusive sem o apoio da imprensa, que sempre foi marconista, membros foram presos lutando contra as OSs, e hoje não estamos como a saúde graças a esses guerreiros e aos alunos que não aceitaram as imposições marconistas. Agora nós temos moral para dizer que o Governo Caiado tenta esconder as verbas do FUNDEB!!!

Divino Morais

Vcs tinha de ter vergonha em defender o ronaldo Caiado esse vai ser o pior governo q Goiás já teve os funcionários do estado vão amarga ter votado neste homem sem qualidade pra governa Goiás quem viver vera

ANA TAVARES

Parabéns pela excelente reportagem

Sílvio Caldas simao

Eu não acredito no que estou lendo! A única coisa que nós professores queremos e receber nossos salários em dia como qualquer trabalhador, ai vem um pseudo jornalista e uma turma de puxa saco querendo criticar, esses panacas estão ganhando pra falarem tanta besteira, que discurso mais idiota.

Moacir Lourenço Carneiro

Governador Caiado, você é o maior político de Goiás, você herdou um dos maiores rombos financeiros do Brasil.O ladrão Marconi e seus ladrões quebraram o estado de Goiás e ainda fica dando uma de honestos, não verdade eles deveriam estar presos. Esperamos que o senhor prenda essa cambada de ladrões do dinheiro público, vai denuncia-los ou não? O povo anseia pela prisão desse mafioso marconia ladrão e sua corja de ladrões.O senhor, Caiado, será o melhor governador que Goiás já teve e terá.Boa sorte querido governador, estamos com você !

Sileide Lucia de Oliveira Correa

Há tempos não lia tantas verdades,

Maria Abadia da Silva

Belo texto. Sou professora e nunca me filiei ao sindicato por entender que não representa os profissionais da educação em Goiás.

Rafael

texto anonimo? seria de algum secretário do atual governo? fica a reflexão.

Alba Borges de Medeiros

Queremos um sindicato forte. Que luta por nós

Alba Borges de Medeiros

Os mesmos eleitores do Marconi são os do Caiado. Um bando de analfabetos politicos

José Edivaldo Pereira Silva Sobrinho

Percebe-se o quão é partidáriode Caiado é o missiva desta matéria. O governador sempre arrotou pedantismo, arrogância, presunção, sempre arvorando-se como o supra sumo da autoridade. Agora será posto a prova a sua competência. Talvez a truculência aparecerá. Pobre povo de Goiás saiu da merda ,

Fernanda

No atual momento, esse tipo de reportagem não ajuda os professores. Precisamos de apoio contra Marcone e contra Caiado. Estamos vivendo um momento terrível na educação. Se, por motivos políticos, o Sintego resolveu agir, precisamos apoiá- lo pq nossas famílias estão sofrendo. Infelizmente dependemos desse sindicato omisso e oportunista.

Leão da Montanha

Belíssimo artigo! Que lucidez e coerência na argumentação! Apreciaria ler as críticas ao marconismo proferidas pelo destemido escritor Nilson Gomes quando Marconi pontificava. Pela amostra deste artigo, imagino a veemência do bravo articulista desafiando o então governador. Com a ousadia que lhe é característica suponho que o indomável Nilson Gomes – à época dos fatos – expressou corajosamente a indignação dos goianos diante dos desmandos do desgoverno Perillo e apresento meus cumprimentos, ainda que tardios! Felicitações, nobre guerreiro!

Juraci Rocha Cipriano

Um dia a verdade vai aparecer.

Maria Bernadete Caetano Ferreira de Melo

Matéria ótima. …falando-se em educação, deveria ter olhos mais de perto da UEG, quem sabe uma sindicância para ver como anda a administração financeira daquela Instituição não ? Estou confiante no nosso governador Ronaldo Caiado!

Raimundo COÊLHO de Souza filho

voces estão esquecendo da titularidade dos professores que o marconi tomou e o SINTEGO se acovardou…nao disseram nada …tambem sai IEDA E ENTRA BIA as mesmas que comandam o SINTEGO há anos…pelegas de sindicatos. …COM ESSAS PESSOAS O SINTEGO SÓ IRÁ AFUNDAR A CLASSE

Jeová

Eu sempre acreditei no Sintego e vou continuar. Mas acho que Caiado vai ser o anticristo da educação em Goiás. Sintego não abaixa a guarda por nós pela família dos professores

Roberto Bento Da Silva

O Sinteco errou em alguns momento durante o Governo Marcone, poderia ser mais contundente em alguma posições, contudo, não podemos nos apiquenar diante desse momento extremamente ruim por que passa a Educação de Goiás. GATINHO OU LEÃO só sei que o Sindicato tem que admitir seus erros e lutar pelos nossos direitos.
Umas perguntas que quer calar. ONDE ESTAVA O TCE-GO diante dessas manobras contabeis de Marcone…??? ONDE ESTAVA A IMPRENSA DIANTE DE TAIS AÇÕES DE Marcone…???

Jorge Santana

que estilo de texto, rapaz… sínteses engenhosas, comparações cirúrgicas, ironias socráticas, paródias decentes, e instigante domínio de construções linguísticas originais. coisa rara no jornalismo do goyáz profundo, onde a maioria come de modo farto e desavergonhado nos currais das bancadas do boi, da bala e da bíblia. mesmo não concordando com algumas reduções binaristas e tendenciosas do tema tratado (por ex. muitos professorxs, ligados ao sindicato ou não, foram pras ruas de cidades do estado sim e lutaram/lutam contra as pautas marconistas em relação à educação goyana/nacional. é só ter humildade, paciência e, sobretudo, honestidade de dar uma googada no… Leia mais

Nihl Melo

O problema é que a raposa velha do Caiado vai ficar se esquivando o tempo todo e jogando a responsabilidade no governo passado, isso é tática de político sabonete, tem que enfrentar o problema de frente e dialogar, não adianta mandar seus pelegos fazer matéria e ficar tentando o defender, essa tatica de latir mais alto do que o cachorro do vizinho não convence ninguém.

Charito Peraza

Concordo plenamente com este artigo e parabenizo o autor do mesmo, é a mais pura e absoluta verdade