Mulher que mutilou seio em Goiânia tem câncer, depressão e foi estuprada

M.C.G.D. usou tesoura para retirar parte do corpo e a jogou em uma lixeira. Ela não frequenta tratamento psiquiátrico há seis meses

A mulher de 29 anos que mutilou o próprio seio e jogou o mamilo em um cesto de lixo na esquina da Rua do Orvalho com a Avenida Mangalô (veja vídeo abaixo), no Setor Morada do Sol, em Goiânia, sofria de depressão desde 2011. M.C.G.D. passava por tratamento psicológico e psiquiátrico em uma clínica particular na capital.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Breynner Vasconcelos, a mulher disse em depoimento no final da tarde de terça-feira (28/10) que foi vítima de estupro e foi ferida por quatro vezes a facada. Além disso, afirmou que tinha câncer de mama, informação confirmada ao delegado por familiares. Em entrevista ao Jornal Opção Online nesta quarta-feira (29), o investigador relatou que M.C.G.D. não vai às sessões de tratamento psicológico há cerca de seis meses.

As crises teriam sido intensificadas após o assassinato de um irmão, há quatro meses. No entanto, a morte não foi confirmada. “Ela não tomava a medicação nos horários corretos e, quando o fazia, queria tomar tudo de uma vez”, detalhou o delegado, complementando que a mulher é homossexual.

Parentes estiveram na delegacia e reconheceram a pessoa que aparece no vídeo, gravado por imagens de segurança. Para a família, a mulher falou que havia passado por um procedimento cirúrgico para a retirada da mama.

Breynner Vasconcelos relatou que M.C.G.D. já teria tentado suicídio cortando os pulsos. Segundo o investigador, a intenção dela era de sangrar até morrer. Porém, procurou atendimento médico pelas dores que sentia. A mulher pegou um ônibus do transporte coletivo para uma unidade de saúde e sentiu tontura. Com isso, resolveu parar e pegar um mototáxi, aproveitando para jogar o pedaço do seio no lixo.

O delegado ressaltou que caso as apurações não apontem a participação de outra pessoa no caso, irá encerrar o inquérito policial e pedir o arquivamento à Justiça. Isso porque o Código Penal não prevê punição em situações de autolesão.

Conforme depoimento, a automutilação ocorreu na madrugada de terça-feira (28), com o uso de uma tesoura. A parte do corpo de M.C.G.D. foi encontrada junta a uma camiseta por uma funcionária de um supermercado no momento em que descartava uma sacola em um cesto de lixo. Após a análise de imagens do circuito de segurança, a polícia identificou a mulher, que foi encontrada no Serviço de Atendimento da Unimed (SAU), no Setor Oeste.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.