Walison Moreira, chefe da Sedetec, afirmou que decisão de flexibilização é da Secretaria de Saúde

Comércio fechado | Foto: Reprodução

Na tarde da última segunda-feira, 8, o Comitê de Operações Estratégicas (COE) em Goiás, que discute as atuais circunstâncias e medidas de enfrentamento à pandemia de Covid-19 no Estado, se reuniu novamente. Secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho, Ciência e Tecnologia (Sedetec), Walison Moreira esteve presente no encontro que tratou também dos efeitos da pandemia na capital.

Em entrevista ao Jornal Opção, o titular da pasta reforçou que não há qualquer vislumbre de flexibilização das atividades econômicas para os próximos dias. “Seria irresponsável dar datas de reabertura quando essa doença é muito dinâmica. Recentemente vimos o número de casos subir em quase 50%”, ressaltou.


Quanto ao diálogo com os representantes do comércio, Walison disse que é constante e que frenquentemente a secretaria recebe e ouve os setores, pois o intuito é fazer Goiânia voltar a crescer e se desenvolver. “Não somos nós que definimos datas, nós abastecemos a Secretaria de Saúde com informações, dados demográficos…Mas é a secretaria da Saúde que autoriza ou não a reabertura dos setores”, disse.


“Recebemos diariamente solicitações de reabertura. Temos em mãos mais de cem pedidos de flexibilização de segmentos. Hoje mesmo estive com o representante do setor das Academias, que nos informou dos protocolos de reabertura. Sempre que podemos, recebemos os setores para quando possível levarmos ao Comitê de Gestão de Crise”, informou.

Sobre como o COE encara a crescente de contaminações na capital, o secretário pontuou a severidade da situação. “O tom da reunião foi de bastante preocupação em relação ao aumento do número de casos. Em especial, preocupação em relação a capacidade de atendimento. Muito se fala em respiradores, porque eles são muito difíceis de serem comprados. Mas não é só isso. Nesses leitos é preciso ter equipamentos, profissionais capacitados (porque é um aprendizado que necessita de muito tempo de estudo), insumos, medicamentos…”