Senador Canedo terá 100% de cobertura na saúde básica

Marca será alcançada com a inauguração de mais dois postos de atendimento do Programa Saúde da Família, prevista para outubro

misael

PSF Prado, que será entregue em outubro | Foto: assessoria

 

O mês de outubro será motivo de comemoração em Senador Canedo. Com as inaugurações dos postos do Programa Saúde da Família de Paraíso e Prado nos dias 14 e 23 de outubro, respectivamente, o município irá alcançar a marca de 100% de cobertura do programa. Juntas, as unidades demandaram recursos da casa de R$ 1,7 milhão.

Para atingir a meta de assegurar o atendimento básico de saúde a todos os canedenses, a atual administração reformou e ampliou 13 unidades, em um investimento que superou R$ 2,2 milhões, sendo que mais da metade foram de verba municipal. No último dia 15, o prefeito Misael Oliveira também entregou o PSF Flor do Ipê, ao custo de mais de R$ 982 mil, que vai atender 4,5 mil pessoas por mês.

Prefeito Misael inaugurando o PSF Flor do Ipê na última terça-feira (15) | Foto: assessoria

Prefeito Misael inaugurando o PSF Flor do Ipê na última terça-feira (15) | Foto: assessoria

Até o final do ano, outras duas unidades de saúde serão inauguradas em Senador Canedo, uma no Centro e outra na região do Jardim das Oliveiras. O prefeito espera os PSFs do Jardim das Oliveiras e de Santa Rosa sejam inaugurados em novembro e dezembro, respectivamente. Nesses dois casos, os atendimentos já estão sendo realizados, mas em imóveis locados, sem espaço e estrutura ideais.

O PSF Paraíso, próximo a ser inaugurado, vai abrigar, inicialmente, uma equipe de saúde composta de 10 profissionais, com capacidade de atendimento de 4 mil pessoas. Serão beneficiados os moradores do Residencial Paraíso, Buriti I e II, Veredas dos Buritis, Reservas do Bosque e Chácaras Bonsucesso. “Esse atendimento ainda vai dobrar na sequência, já que o PSF Paraíso é construído para abrigar duas equipes”, detalha o prefeito Misael Oliveira.

Já o Prado, cuja estrutura física está entre as melhores do Município, vai atender a população do residencial de mesmo nome, das Chácaras São Geraldo e parte da Vila São Sebastião. Também com capacidade para abrigar duas equipes de saúde, ele inicia as atividades com uma, beneficiando quatro mil pessoas.

Jardim das Oliveiras II e Santa Rosa

Funcionando há vários anos em um imóvel alugado, o PSF Jardim das Oliveiras II deve ser transferido para nova sede em novembro próximo. O espaço atual já não consegue atender a contento a população da região, que cresceu substancialmente nos últimos anos. Hoje, são 3.642 pessoas ou 1.157 famílias cadastradas.

“Quando o PSF foi aberto, o número de pacientes era bem menor. Agora, já não suporta atender a demanda com o conforto que o cidadão merece. Por isso estamos construindo a unidade, onde servidores e pacientes vão encontrar condições ideais”, explica Misael Oliveira. Postos fazem parte da área de atuação da unidade o Jardim das Oliveiras II, Recanto das Oliveiras, Residencial Ingá, Parque dos Buritis e as chácaras da região.

A história do Santa Rosa é similar. A unidade também funciona em um espaço alugado e precisa da nova sede para assegurar ao usuário o atendimento no padrão que a saúde canedense preconiza. “Temos investido muito no setor para garantir o progresso e a qualidade de vida do nosso povo. Não aceitamos nada além do melhor”, diz o prefeito, ressaltando que neste PSF são atendidas, em média, 3.891 pessoas por mês, dos bairros Santa Rosa e Jardim Sabiá.  

Números do Censo jogam contra

Os investimentos do poder público de Senador Canedo em saúde esbarram em um adversário de peso: o Censo do IBGE. Utilizado como referência pelo Ministério da Saúde para a liberação de recursos, o último levantamento do órgão, datado de 2010, aponta que a cidade tem pouco mais de 86 mil habitantes.

Entretanto, a realidade é bem diferente, conforme indica o Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB). “Ele mostra que temos aproximadamente 120 mil habitantes na cidade. Essa diferença implica em mais despesas e menos repasse de recursos pelo Ministério”, fala a secretária municipal de Saúde, Fabiana Lopes.

O impacto desse desencontro estatístico é sentido em vários setores, desde o número de servidores até a autorização para construção de hospitais e UPAs, por exemplo. “Nós já observamos a necessidade de novos PSFs em curto prazo, mas para conseguirmos é preciso que o Ministério da Saúde reconheça isso e com base nos números que eles usam, nós teríamos unidades além do que é preciso”, conclui Fabiana Lopes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.