A secretária de Estado de Meio Ambiente de Desenvolvimento Sustentável de Goiás (Semad), Andréa Vulcanis, coordenará na sexta-feira, 8, um painel sobre resíduos sólidos e cerrado na COP28, em Dubai.

O eixo da apresentação será a Lei complementar que regionalizou os serviços de saneamento básico em Goiás, sancionada pelo governador Ronaldo Caiado (UB) neste ano.

Frequentemente, Vulcanis defende que a regionalização é um passo importante para que os municípios consigam acabar com os lixões até o meio do ano que vem, exatamente como exige a lei.

Outros pontos que a secretária deve abordar em sua apresentação é a política estadual de logística reversa, além ainda do plano estadual de resíduos sólidos.

Nesta quarta, Andréa Vulcanis visitou uma usina, em Dubai, que faz o tratamento de todo resíduo sólido da cidade. Segundo a secretária, o processo é a combustão e não há separação de lixo orgânico e reciclável, ou seja, todo material é quimado.

“O investimento deste empreendimento foi em torno de R$ 5 bilhões e queima cerca de 5 mil toneladas por dia. Infelizmente, esse modelo não cabe para nós em Goiás, não temos esse volume de resíduos sólidos em uma área de abrangência, porque estamos imaginando 6 ou 7 milhões de habitantes em um único local para viabilizar economicamente um empreendimento como esse. Entretanto, sempre é válido conhecer e saber as opções que temos mundo afora para adotar a melhor modelagem em Goiás”, disse.

Com o tratamento do lixo, a usina gera 194 MW/dia por um custo de aproximadamente U$ 20 por tonelada de resíduo tratado. Além disso, são cerca de U$ 30 por megawatt.

Leia também: