Seap desmente promotor e diz que preso não está paraplégico

Em nota, Superintendência de Segurança Pública afirmou que irá abrir sindicância para apurar se o detento sofreu algum tipo de agressão 

Fotos: Reprodução/Facebook

Fotos: Reprodução/Facebook

A Superintendência Executiva de Administração Penitenciária (Seap) negou a informação de que o detento Lucas Marques Lobo, de 20 anos, estaria paraplégico, após suposta agressão de agentes penitenciários. Em nota, o órgão afirmou que irá abrir sindicância para apurar se o detento sofreu algum tipo de violência.

A denúncia veio do promotor Haroldo Caetano, da 25ª Promotoria de Justiça de Goiânia, que chegou a publicar em sua conta no Facebook uma foto do presidiário internado na Enfermaria Carceragem do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo).

“A instituição esclarece que o promotor Haroldo Caetano, que divulgou mensagem em seu perfil pessoal no Facebook com a afirmação equivocada de que o detento está paraplégico, não oficiou ainda a Seap sobre a denúncia que fez”, informou o comunicado da superintendência.

Em nota, a assessoria de comunicação do Hugo afirmou que o estado de saúde do paciente é considerado regular, mas não informou se Lucas Marques estaria ou não sem os movimentos dos membros inferiores. Conforme comunicado, o detento foi admitido na unidade no dia 17 de março e tem recebido todos os cuidados necessários e está sendo acompanhando pela equipe médica da Ortopedia.

Confira a íntegra da nota enviada pela Seap:

  A Superintendência Executiva de Administração Penitenciária (Seap) informa que, de acordo com o prontuário médico do preso Lucas Lopes Lobo, enviado para o Gabinete desta superintendência na tarde desta quinta-feira, 26/06, pelo Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO), ele não está paraplégico.  A Seap abriu sindicância para apurar se o detento sofreu algum tipo de agressão física durante custódia no Centro de Triagem. A instituição esclarece que o promotor Haroldo Caetano, que divulgou mensagem em seu perfil pessoal no Facebook com a afirmação equivocada de que o detento está paraplégico, não oficiou ainda a Seap sobre a denúncia que fez.

Superintendência Executiva da Administração Penitenciária

Deixe um comentário