Prometida há mais de um mês, nova frota de caminhões de lixo ainda não foi completamente liberada

 Jornal Opção Online entrevistou o presidente da Comurg para tratar dessa e outras questões relacionadas à Companhia

*Colaborou Marcelo Gouveia

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Os 67 caminhões de lixo, prometidos há um mês pelo presidente da Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg), Ormando Pires Júnior, ainda não estão nas ruas. Até o momento, são 32 novos veículos realizando o serviço. Outros 31 caminhões já foram adquiridos e estão em fase de adaptação. A previsão, de acordo com o dirigente, é que ainda neste mês eles estejam nas ruas.

Sobre a crise na coleta do lixo — tida pela administração municipal como “superada” –, o presidente afirma que a capital goiana faz a coleta três vezes por semana, um número superior ao estabelecido pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é de duas vezes em países tropicais. O problema, segundo Ormando, é que, por questões técnicas, como o reparo dos caminhões, que demanda um tempo longe das ruas, a coleta em determinados circuitos acaba prejudicada.

O presidente também comentou sobre a falta de materiais para garis, como luvas e vassouras. A situação foi noticiada em veículos da imprensa local nesta segunda-feira (8/9). Segundo Ormando, o problema está na dificuldade em controlar o gasto desses materiais. Ele explica que as luvas têm um tempo de vida determinado e que, muitas vezes, os garis as utilizam em outros serviços e pedem por novas luvas. “Isso dificulta a situação. A vassoura também tem uma durabilidade e nós a substituímos periodicamente, bem como o Equipamento de Proteção Individual (EPI). Hoje, uma remessa de vassouras foi entregue”, garantiu.

Fiscalização

Em entrevista, o presidente ressaltou o objetivo principal da Companhia: o recolhimento do lixo doméstico. A Comurg está com uma proposta para que os demais lixos sejam, de fato, de responsabilidade do gerador. Por exemplo, o entulho. Conforme aponta o dirigente, uma pessoa, que faz uma reforma ou construção, tem também que considerar os custos com a destinação final dos resíduos. “Ela tem que contratar uma empresa particular, credenciada na Prefeitura, para que ela faça o recolhimento, o transporte e dê a destinação final”, explica.

Ainda sobre a questão, Ormando informou que o órgão está firmando uma parceria com a Agência Municipal do Meio Ambiente (AMMA) para que a própria Companhia tenha os fiscais e, assim, possa notificar os infratores: “Eles são a menor parte, mas prejudicam o todo. A fiscalização já existia. O que faremos é colocar o fiscal, diretamente, na Comurg para que eles possam cobrar, mais agilmente, essa postura do cidadão prevista no Código de Posturas, que é manter a cidade limpa”.

Esclarecimentos

Há exatamente um mês, o promotor de justiça Fernando Krebs visitou a Comurg e acionou na Justiça, no dia 20 de agosto, afirmando a existência de 129 funcionários “fantasmas” na Companhia. A ação requeria o bloqueio de bens de Ormando e Waterson Fidéles Corrêa, chefe do Departamento de Pessoal do órgão que também foi acionado, até o total de R$ 8.608.292,91, quantia referente ao possível prejuízo ao erário, além de multa civil de duas vezes o valor do dano ao patrimônio público.

Sobre o assunto, a justificativa de Ormando é simples: “Não foi comprovada a existência desses funcionários fantasmas, tanto que a Justiça não acatou o nosso afastamento e bloqueio de bem. E nós comprovamos que eles trabalham”. Ele explica que muitos funcionários já começam sua carga horária de trabalho nos bairros específicos para varrição ou coleta, por exemplo, e que existem 60 pontos de apoio, distribuídos pela cidade, facilitando o deslocamento e o trabalho desses funcionários.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

marcos

GOIANIA VIROU UM LIXAO PREFEITO PORCO NO TENPO DE NION ALBERNAS GOIANIA ERA LINDA FLORIDA CHEIA DE ARVORES ISSO ACABOU NO GOVERNO DO PT.