Proifes afirma que espera posicionamento do governo sobre contraproposta

Presidente da entidade criticou medidas do governo e disse que professores esperam reposição da inflação e reestruturação de carreira em dois anos

| Foto: Reprodução YouTube

| Foto: Reprodução YouTube

A Federação dos Sindicatos dos Professores das IFEs (Proifes) reforçou que a Universidade Federal de Goiás segue em greve. Segundo a entidade, o Conselho Deliberativo se reuniu na última quarta-feira (16/9) e segue esperando o posicionamento do governo sobre a contraproposta enviada por eles no dia 31 de agosto que pede reposição da inflação e reestruturação de carreira em dois anos.

Eles também se posicionaram contra as medidas anunciadas recentemente pelo governo federal, chamada por eles de “política de desmonte público”. Uma das propostas mais criticadas é a suspensão de concursos públicos. O presidente da entidade, professor Eduardo Rolim de Oliveira, a Proifes vai “lutar com todas as suas armas no Congresso Nacional para evitar que se aprovem medidas desse calibre”.

Eduardo comentou ainda o fim do chamado abono de permanência. “Não aceitamos o fim do abono permanência, principalmente daqueles professores e servidores que já têm esse esse abono, e também não aceitamos que seja cortada no futuro”, disse ele. “Entendemos que tornar mais rápidas as aposentadorias é apostar no desmonte e na diminuição dos serviços públicos que são tão essenciais para a população”.

Deixe um comentário