Professor passa mal na sala de aula e morre em colégio militar de Goiânia

Humberto Milhomem sofreu uma parada cardiorrespiratória; equipe do Samu chegou a ser acionada e prestar primeiros socorros, mas professor não resistiu ao infarto

Foto: reprodução/Facebook

Foto: reprodução/Facebook

O professor de Literatura Humberto Milhomem da Mota faleceu, na manhã desta segunda-feira (30/3), após passar mal em sala de aula e sofrer uma parada cardiorrespiratória no Colégio da Polícia Militar Polivalente Modelo Vasco dos Reis, em Goiânia.

Em entrevista ao Jornal Opção Online, a capitã Karina Nunes contou que o professor dava aula para a turma do segundo ano do Ensino Médio da unidade, quando teria sentido um mal estar e desmaiado. O professor foi então retirado do recinto pelos alunos, que chamaram o oficial do Corpo de Bombeiros que presta serviço no colégio.

A equipe médica do Samu foi acionada e chegou a prestar os primeiros socorros, mas Humberto não resistiu ao infarto. Os profissionais de saúde teriam tentado por cerca de uma hora reanimar o professor, mas não obtiveram êxito.

De acordo com a capitã Karina Nunes, Humberto teria reclamado de dores no peito na última semana e chegou a procurar uma unidade de saúde. O professor, que estava resfriado, foi diagnosticado com gripe.

Em comunicado no site do Colégio da Polícia Militar Polivalente, o tenente coronel Marco Antônio Ferreira, diretor do unidade de ensino, lamentou a morte do professor e prestou condolências aos familiares e à comunidade escolar pela perda. O colégio decretou luto de dois dias.

Natural do Maranhão, Humberto Milhomem era bastante conhecido no meio estudantil goianiense. O professor também lecionava Literatura na Faculdade Padrão. O velório do professor será no cemitério Jardim das Palmeiras.

2
Deixe um comentário

2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
leandro lima souza

Que o senhor conforte essa familia

José das Graças Silva Oliveira

Achei interessante o fato de o professor ter procurado uma unidade de saúde, e ter sido diagnosticado “gripe”. Estes profissionais que o atenderam são responsáveis pela morte deste homem. Isso acontece todos os dias nas unidades de saúde de Goiânia. É uma pena ver tanta incompetência em todas as áreas do poder público. Abraços aos enlutados!