Prefeito e secretários de Cristalina são denunciados por improbidade

Segundo MP, prefeitura contratou empresa para transportar massa asfáltica sem licitação e ainda beneficiou aliados com recursos públicos 

Prefeito Daniel do Sindicato | Foto: reprodução/ Facebook

O promotor de Justiça Fernando Cesconetto denunciou o prefeito de Cristalina, Daniel Sabino Vaz, o Daniel do Sindicato (PSB); o assessor de gabinete do prefeito, Jean Eustáquio Magalhães Alves, o Jean da Pizzaria (PR); o ex-secretário de Obras, Vitor Simão; além do vice-prefeito de Estrela do Norte e dono da empresa Comercial Borges (Zedimilton Ferreira da Silva Eireli-ME), Zedimilton Ferreira da Silva (PV), por ato de improbidade administrativa.

Segundo o Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO), os envolvidos causaram danos ao erário ao firmarem um contrato para transporte de massa asfáltica sem qualquer licitação ou mesmo justificativa para a escolha da empresa vencedora.

Além disso, o então secretário de Obras teria se beneficiado com o acordo, pois havia contratado, para trabalho particular em sua fazenda, a Comercial Borges — que acabou se beneficiando do contrato público para a atividade privada.

Entenda

Segundo apurado pelo MP, o município de Cristalina comprou 64 toneladas de massa asfáltica de uma empresa de Bela Vista de Goiás. Para viabilizar a chegada do material, o secretário de Obras pediu ao prefeito o transporte do produto, o que foi autorizado. Assim, em julho deste ano, a Comissão de Licitação autuou um processo administrativo cujo objeto foi identificado apenas como prestação de serviços.

Na sequência, foi firmado um contrato de prestação de serviço rodoviário entre o município, representado pelo gestor municipal, e a empresa de Zedimilton para o transporte da massa asfáltica até a garagem da prefeitura, pelo valor de R$ 50,00 a tonelada.

O promotor observa, no entanto, que não há no processo administrativo qualquer justificativa para a escolha dessa empresa que sequer prestava serviços ao poder público local e cuja sede fica em outro município. “Não foi demonstrado como ela foi selecionada, nem se essa escolha foi precedida de alguma formalidade ou cautela”, avalia Fernando Cesconetto.

Segundo ele, também não constam informações sobre como foi estabelecido o preço pactuado, nem pesquisa de preços com outras empresas. A contratação se deu de forma direta, sem nenhuma indicação de critérios quanto à escolha do fornecedor e fixação de preço, aponta a ação.

Em seguida, houve, em agosto de 2017, um aditivo ao contrato alterando a forma de pagamento para que esta não fosse mais feita em dinheiro, mas em prestação de serviços, por meio de mão de obra de borracharia em pneus.

O MP argumentou que não houve justificativa e fundamento legal para permitir essa mudança. “Não se sabe como os acionados concluíram que o valor devido pelo transporte de 64 toneladas de massa asfáltica equivaleria à realização de mão de obra de borracharia em 28 pneus”, questionou o promotor no processo.

Ele acrescentou ainda que não há documentação relativa aos serviços prestados, faltando pareceres jurídicos e do controle interno relevantes para a tramitação e a contratação efetivada.

Benefícios próprios 

Ex-secretário Vitor Simão

Cesconetto apurou que o secretário de Obras havia contratado a empresa de Zedimilton para realizar serviços em sua propriedade particular, tendo sido enviado para tanto um caminhão. Na condição de secretário, Vitor tinha conhecimento que o município precisava transportar massa asfáltica de Bela Vista até Cristalina, tanto que já havia pedido ao prefeito autorização para o serviço.

“Deixando de realizar a licitação ou sua dispensa de acordo com a lei, o secretário deliberou por simplesmente escolher a empresa de Zedimilton para prestar serviços ao município, assim como fez para sua propriedade.

O próprio gestor confirmou que fixou livremente o preço do contrato e, consolidando ainda mais a completa ausência de distinção entre o público e o privado, ele enxergou na negociação uma maneira de beneficiar-se”, esclareceu o promotor.

Isso porque, para prestar serviços em sua fazenda, o caminhão precisaria de manutenção, e Vitor, pessoalmente, adquiriu pneus novos. Em seguida, articulou a alteração da forma de pagamento com o objetivo que passasse a constar a deliberação de que a contraprestação seria realizada por fornecimento de mão de obra de manutenção do caminhão.

O promotor destaca que, consumando sua intenção, o secretário determinou à Garagem Municipal, vinculada à Secretaria de Obras, que fossem realizados serviços, em especial a troca de pneus do caminhão que, então, teve condições de trabalhar para ele, de forma particular.

“Para justificar a realização de mão de obra em veículo particular por servidores públicos, Vitor Simão, valendo-se de sua condição de secretário, providenciou a contratação da empresa pelo município e, em seguida, a mudança do contrato para que o pagamento fosse feito pela mão de obra, o que não encontra amparo legal”, avaliou a ação.

Para o promotor, todos os acionados contribuíram, de alguma forma, para a consolidação do ato de improbidade administrativa, motivo pelo qual devem ser responsabilizados. (Com informações de Cristiani Honório da Assessoria de Comunicação Social do MP-GO)

Resposta

Em entrevista ao Jornal Opção, o assessor de imprensa da Prefeitura de Cristalina afirmou que irá apurar a denúncia e encaminhará nota resposta.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Charles

É triste ver e assistir uma verdadeira lambança desta. Só falo uma coisa,onde esperavase ter um pouco de esperança, mudança de fato, há ainda a persistência da falsidade, da falta de ética, do desrespeito com a pessoa, com a carruagem mesmo. Como o dinheiro muda as pessoas,bem.como seu caráter. No dia da posse, fui até você prefeito e lhe comprimentei o.senhor.
Queria ver de fato um salvador da pátria, pois o prefeito anterior,foi um.verdadeiro , nefasto, quadrilheiro, bandido mesmo, e é muito triste agora,compara lo com vc Daniel.