Polícia reforça tese de incêndio criminoso na Chapada dos Veadeiros

Delegado responsável pelo caso afirma que fogo pode ter sido causado por fazendeiros da região 

Policiais avaliam danos ao parque | Foto: Polícia Civil

Na manhã desta quinta-feira (26/10), a Polícia Civil do Estado de Goiás reforçou a tese de que o incêndio que já destruiu mais de 20% da Chapada dos Veadeiros foi criminoso. O fogo começou no dia 10 de outubro e as autoridades ainda tentam controlá-lo.

Em entrevista ao Jornal Opção, o delegado responsável pelo caso, José Antônio M. Sena, da
1ª Delegacia de Formosa, contou que o inquérito para a investigação já foi instaurado e moradores da região têm sido ouvidos.

“Primeiro foi trabalhada a possibilidade do incêndio ter sido natural, causado pelo forte calor e pelas placas de cristais que há na região. No entanto, ouvindo populares, descobrimos que o incêndio teve início na madrugada”, explicou.

Além disso, há relatos de pessoas que viram motociclistas suspeitos, com recipientes que aparentavam ser de combustível nas proximidades do parque. “Somente a perícia dará 100% de certeza do que aconteceu, mas a possibilidade é muito grande de que tenha sido pela maldade mesmo”, lamentou.

O delegado lembra ainda que a ampliação da Chapada dos Veadeiros causou revolta em fazendeiros da região, o que pode ter sido a motivação do crime. Uma outra hipótese também foi aventada: a de que visitantes do parque podem ter acampado e de esquecido de apagar uma fogueira, por exemplo.

“Temos 30 dias para concluir as investigações, ainda estamos trabalhando com suposições. No entanto, os indícios levam a crer que foi um incêndio intencional”, reforçou.

Avaliação

O incêndio que assola o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, desde o dia 10 de outubro já havia sido considerado criminoso pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) — que administra o local.

As suspeitas são de que o incêndio foi iniciado por fazendeiros da região, em represália à recente ampliação da área do parque.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.