Polícia apura morte de mãe que oferecia filha de 7 anos a homem em troca de drogas

Acusada praticava o crime em Trindade. Além dela, um homem identificado por Cleiber Alves Ferreira, de 53 anos, também foi preso

Uma mulher que foi presa por usar filhas de 4 e 8 anos para serem abusadas sexualmente por homens em troca de drogas morreu, no último final de semana, numa unidade hospitalar de saúde. A Diretoria Geral de Administração Penitenciária (DGAP) abriu procedimento administrativo para apurar as causas do óbito. A vítima tinha sido presa, no dia 28 de janeiro, após ter sido denunciada por abusar das duas meninas utilizando dedos como preparativo para estupros.

Segundo a administração penitenciária, foram tomadas as devidas providências em relação à morte da custodiada. Em nota, afirmou que a detenta cumpria pena por crimes relacionados à violência sexual e que estava sozinha em uma das celas. Ela foi encaminhada por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) a unidade hospitalar após apresentar quadro de vômito e pressão arterial baixa.

A mãe das crianças praticava o crime em Trindade, região metropolitana da capital. Além dela, um homem identificado por Cleiber Alves Ferreira, de 53 anos, também foi preso. Segundo informações da Polícia Civil, a mãe delas, além de permitir os abusos sexuais com a filha mais velha, que começou a ser estuprada aos sete anos, também praticava atos libidinosos com a menina. Ela e o homem negociavam os abusos.

As negociações também estavam acontecendo para que Cleiber se relacionasse sexualmente com a filha mais nova de apenas quatro anos. Conforme a polícia, a mulher já estuprava a menina com os dedos como forma de prepará-la para o homem. No entanto, os atos, neste último caso, não foram consumados. Em análise do celular da mãe das vítimas, por meio de autorização judicial para extração de dados, a polícia identificou vídeos com cenas de sexo explícito envolvendo Cleiber e a filha mais velha da autora.

Ainda de acordo com a polícia, o investigado já havia sido indiciado pela DPCA por estupro de vulnerável em agosto de 2021, pela prática do mesmo crime, em desfavor de uma amiga da filha dele. Para a corporação, a divulgação de imagens podem ajudar no esclarecimento de outras infrações penais, após reconhecimento por possíveis vítimas e testemunhas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.