“PMDB tem que resolver essa crise existencial”, diz deputado petista

Após senador Ronaldo Caiado dar como certa aliança com PMDB, Luís César Bueno questiona postura do PMDB e presidente estadual do PT minimiza distanciamento

Deputado estadual luís César Bueno, em plenário da Assembleia Legislativa. Petista afirma que PMDB conversa com PT, mas depois se alia ao inimigo político DEM | Foto: Marcos Kennedy

Deputado estadual luís César Bueno, em plenário da Assembleia Legislativa. Petista afirma que PMDB conversa com PT, mas depois se alia ao inimigo político DEM | Foto: Marcos Kennedy

A união entre DEM e PMDB incomoda o PT, que vê aproximando-se, cada dia mais, a possibilidade de encabeçar uma chapa pura na capital, em 2016. Os desgastes da legenda (tanto a nível nacional quanto municipal) e a maior aproximação da figura forte do senador Ronaldo Caiado dificulta a aliança histórica. Isso porque DEM e PT não se suportam, e o PMDB mostra que possui mais interesses no democrata — com quem tem mantido relações estreitas — do que no PT.

Na última segunda-feira (6/7), uma reunião entre Caiado e deputados peemedebistas — o federal Daniel Vilela e os estaduais José Nelto, Adib Elias e Paulo Cezar Martins — mostrou que estão unidos. Na ocasião, Caiado afirmou que aliança está estabelecida, e que grupo já está articulando as candidaturas municipais.

Ao Jornal Opção Online, o deputado Luís César Bueno (PT) criticou a postura do PMDB. O petista afirmou que a legenda conversa com o PT e depois se alia ao DEM. “A aliança entre PT e PMDB estava normal. Se o PMDB tem crise existencial, tem que se resolver”, disse.

Segundo Luis César, na última conversa entre as duas legendas, o tom foi diferente. Petista garante que o caminho mostrado era diferente, com o vislumbre em um caminho de junção entre os petistas e peemedebistas. Na ocasião, segundo Luís César, nem falaram do DEM, já que aliança entre ambos é algo descartado.

Vale destacar que o PMDB ainda possui diversos cargos na Prefeitura de Goiânia de Paulo Garcia (PT) — incluindo sete secretarias –, além do vice, Agenor Mariano, não ter rompido oficialmente com o petista.

Presidente estadual do PT, Ceser Donisete afirma que DEM e PT nunca estarão juntos. Presidente espera que aliança com PMDB seja consolidada | Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção

Presidente estadual do PT, Ceser Donisete, afirma que DEM e PT nunca estarão juntos. Petista espera que aliança com PMDB seja consolidada | Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção

O presidente estadual do PT, Ceser Donisete, também estranhou a postura do então partido aliado. “Onde o Caiado está, o PT não fica. Existe um acordo político no Estado de Goiás: eles [DEM] não querem a gente e a gente [PT] não quer eles. Não queremos e não ficaremos”, diz, e enfatiza que não adianta “alguém achar que existe um acordo”.

O petista, entretanto, sustenta ter ficado tranquilo após última conversa que teve com o presidente peemedebista em Goiás, Samuel Belchior. Segundo Ceser, o ex-deputado estadual garantiu que os democratas serão parceiros em algumas cidades, principalmente onde o DEM é oposição ao PSDB, e em outros municípios a aliança com o PT pode ser assegurada.

“Aí eu fiquei tranquilo, porque quero ver o PMDB achar DEM de oposição ao governador em Goiás. O único deputado estadual do DEM é até presidente da Assembleia Legislativa”, disse, se referindo a Helio de Sousa.

Esperança de coligação em Goiânia

Céser Donisete garante esperar que a aliança presente em Goiânia nas últimas duas eleições municipais — PT e PMDB — continue no próximo ano. Entretanto, não existem até o momento conversações neste sentido, como o próprio presidente comentou. Samuel Belchior foi evasivo em entrevista na última segunda-feira (6/7). Questionado sobre o nome de Iris e aliança com o PT no município, disse apenas que havia conversado anteriormente com Ceser, e que voltaria a conversar.

O deputado Luis César Bueno, por outro lado, alegou que o PT pode ter candidato a prefeito na capital, citando o seu nome e dos deputados estaduais Adriana Accorsi e Humberto Aidar. “Não é por falta de nomes que deixaremos de ter candidato.”

O presidente é esperançoso quanto a alianças em outros municípios do Estado, mas frisa que não irão apoiar ninguém que esteja com o DEM.

O prefeito Paulo Garcia preferiu não se manifestar sobre a reunião e tem afirmado que está focado na administração da cidade.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.