Juiz argumenta que questão necessita de contraditório e enfrentamento de mérito para formar sua convição

O pedido de indisponibilidade dos bens do ex-governador Marconi Perillo (PSDB) e do ex-presidente da Câmara Municipal de Rio Verde, Aluízio Rodrigues foi indeferido pelo juiz Gustavo Dalul Faria da 2ª Vara da Fazenda Pública. A solicitação foi feita na última quinta-feira, 28, pela promotora de Justiça Carmem Lúcia Santana de Freitas.

A promotora apresentou uma ação cível por improbidade administrativa. Segundo ela, Aluízio foi contratado para exercer a função de secretário executivo do Conselho de Gestão da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), mas nunca desempenhou as atribuições do cargo. Ainda de acordo com Ministério Público, o Conselho foi sequer formado e Aluízio recebeu R$ 54.666,67 em salários como funcionário do órgão.

O advogado de Marconi, Paulo Brzezinsky, informou em nota, que o ex-governador ainda não recebeu a notificação sobre a ação, e elogiou a decisão do juiz que negou o pedido do bloqueio de R$ 198.404,67 em bens.

 Gustavo Dalul argumentou, ao negar o pedido, que “a questão necessita de contraditório e enfrentamento de mérito para a formação da convicção do juiz”. A negativa saiu na última quinta-feira, 28, mesmo dia em que a ação contra o ex-governador foi protocolada.