Para Atlético, fato de Sampaio ser réu em assassinato de jornalista “não tem relevância”

Filho de Valério Luiz concorda que o Atlético é uma instituição maior que as pessoas que lá estão, mas sustenta: “O inquérito aponta que o motivo do assassinato foram as críticas que o meu pai fez ao Sampaio, na condição de diretor do Atlético”

Foto: Facebook Valério Luiz Filho

De rosa, deputado federal Jovair Arantes (PTB); ao lado, de camiseta amarela, Maurício Sampaio / Foto: Facebook Valério Luiz Filho

A indicação do nome de Maurício Sampaio para a presidência do Atlético Clube Goianiense, réu no caso do assassinato do cronista esportivo Valério Luiz, foi surpresa para alguns — e já virou polêmica. A indicação feita quase por unanimidade por conselheiros do clube (eleitos por sócios-proprietários), já teve resposta negativa por alguns integrantes da imprensa goiana.

O pai de Valério, deputado estadual mais bem votado em Goiás no ano passado, Mané de Oliveira, já informou que haverá um boicote por parte da Equipe do Mané (na TV Brasil Central), 820 AM e PUC TV. Outros jornalistas já se pronunciaram via Facebook, como Rosana Melo, de O Popular, e Larissa Rodrigues, da Rádio Interativa.

O Jornal Opção Online entrou em contato com o Atlético Clube Goianiense, que lamentou a ação de parte da imprensa, e disse que o fato de Sampaio ser réu não tem relevância para o Atlético. “Não tem nada a ver para o clube os problemas dele fora da instituição; o que importa é a ação dele como presidente. As questões judiciais devem ser resolvidas pela Justiça, e serão acatadas pelo Atlético”, pontuou a assessoria de imprensa.

Foto: Publicação no perfil do Facebook da jornalista  Larissa Oliveira

Foto: Publicação no perfil do Facebook da jornalista Larissa Oliveira

Conforme o clube, este boicote sinalizado por veículos de comunicação só trará prejuízo para todos. “Prejuízo para o futebol, e para o torcedor, que quer notícia”, afirmou a assessoria, e completou: “Por mais que os jornalistas saibam diferenciar um veículo do outro, o público não tem distinção, só quer a notícia. Nós lamentamos.”

A assessoria ainda citou Sampaio. “É como o Maurício fala: com o tempo isso vai passando. O tempo passa, as coisas mudam. Daqui uns tempos a decisão sai, favorável ou não.” Questionados se a ação por alguns veículos de comunicação poderia pressionar o clube a mudar de presidente, a resposta foi pontual: “De jeito nenhum. Da mesma forma que não influenciamos o trabalho da imprensa, o trabalho da imprensa não influencia no Atlético.”

Jornalista do jornal O Popular, Rosana Melo publicou imagem no Facebook usando camiseta com o rosto de Valério Luiz

Jornalista do jornal O Popular, Rosana Melo publicou imagem no Facebook usando camiseta com o rosto de Valério Luiz

Questionada se o clube poderia tirar Sampaio do cargo caso haja pressão por parte da torcida, a assessoria informou que se isso ocorresse, o clube poderia pensar a respeito, mas informou: “Ontem a presença da torcida foi massiva. Vieram, cantaram não só o hino do Atlético, mas o nome do Maurício. A resposta que tivemos da torcida até agora é positiva.”

O Jornal Opção Online tentou contato com o deputado federal Jovair Arantes (PTB), que ficou no cargo de presidente do Conselho Deliberativo, mas as ligações não foram atendidas.

“Deveriam separar o Maurício ‘pessoa’ do Maurício ‘presidente'”

Mesmo evasivo, sem querer tecer comentários sobre a eleição, o ainda presidente do Atlético Clube Goianiense (o cargo será passado no dia 14 deste mês), o ex-deputado federal Valdivino de Oliveira (PSDB), disse que não deveriam vincular problemas pessoais de Maurício Sampaio com a ação dele como presidente do clube. “Deveriam separar o Maurício ‘pessoa’ do Maurício ‘presidente'”, sustentou. Quanto à gestão de Sampaio, Valdivino disse: “Espero que ocorra tudo bem; que ele tenha um bom desempenho.”

Questionado, entretanto, sobre o fato de inquérito policial apontar que o motivo do crime foram as críticas de Valério Luiz ao Sampaio na condição de presidente do Atlético, Valdivino responder: “Ok, eles afirmam que é isso, mas ainda assim eu não posso afirmar nada. Isso é coisa da polícia, do judiciário. Não sei se ele é culpado, se ele não é. O que eu sei é que a instituição é maior do que os presidentes, ou qualquer outra pessoa lá dentro.”

Sobre a possibilidade da imagem do clube ser enfraquecida, quando ligada a alguém que responde por assassinato, o presidente avalia que os conselheiros devem ter se atentado a essas questões. “Acredito que eles avaliaram tudo isso”, disse, reiterando não saber muito sobre o caso. “Desde que eu decidi me afastar, não me envolvi em nada disso. Eu não faço parte do conselho; não ficaria bem eu fazer comentário.”

Sobre o boicote anunciado por Mané de Oliveira (PSDB), o ex-deputado opina: “O Atlético é uma instituição com vários torcedores. Tinham que pensar nisso”, afirmou.

Conforme Valdivino, não se afastou por não querer ser vinculado à gestão de Maurício Sampaio. “Chegou o momento, por isso me afastei. Já fui presidente seis vezes. Pedi a minha exclusão até do conselho. Não tenho mais nenhum vínculo com o clube”, garantiu.

“Não é um processo de divórcio; ele está respondendo pelo assassinato de um jornalista”

valerio filhoQual o sentimento após descobrir que Sampaio voltou para o cargo de presidente do Atlético?
A gente recebeu com surpresa. Não achamos que ele teria tanta cara de pau. Sentimos isso como uma afronta mesmo. Acho que ele tem um projeto de poder, de controlar o Atlético, depois a Federação [Goiana de Futebol], já que ele já tem a rádio 730; quer controlar a crônica esportiva. Um cara acusado de matar um jornalista vai virar presidente do Atlético?

Vamos reagir. Já entramos em contato com nossos amigos aí, para não fazer mais cobertura do Atlético. A gente foi contestado pelo fato do Sampaio não ter sido condenado ainda. Sabemos que tem a presunção de incocência, tanto que ele está respondendo o processo em liberdade, mas não dá para elevar a um estado de cisnismo social; como se não tivesse vendo nada; como se fosse um probnlema pequeno. Falam apenas que ele está com problemas na Justiça. Não é assim. Não é um processo de divórcio; ele está respondendo é pelo assassinato de um jornalista.

O seu avô [Mané de Oliveira] falou de um boicote. O senhor acha que isso irá ajudar a pressionar para a saída do Maurício Sampaio?
É claro que esse boicote mesmo é da cobertura do clube, mas as notícias pontuais vão continuar, em respeito aos torcedores.

Quando à saída dele, vai depender dos conselheiros, da direção. Eu acho que a princípio ele não vai sair não, porque ele [Sampaio] prova que não se importa com as consequências das coisas que faz. O que podemos fazer agora é mostrar para as pessoas que o acusado de matar meu pai foi aclamado como presidente do Atlético. Uma indignação com a Justiça também, que é lenta e gera esse tipo de constrangimento.

O problema é que não foi julgado ainda? Então julga logo. Agora pergunta se eles querem ir para júri popular? Não querem! Ficam fazendo expediente para atrasar o processo.

A assessoria fala que com o tempo isso vai passando, no sentido de que as coisas vão mudar. É assim que você vê isso?
Vai passando como? Ele vai sumir com o processo? Para isso passar ele vai ter que responder na Justiça. Processo judicial não passa com o tempo. Só se ele tiver algum plano. Então qual é o plano dele para escapar do julgamento? Com a decisão mantida ele vai para júri; vai ter que responder.

O Atlético diz que ele tem problemas fora do clube, mas isso não influencia lá dentro. Você acredita que o caso deve ser desvinculado nesse sentido?
Claro que não. Essa é uma decisão imoral do clube. Não dá para falar que não há relação com o Atlético.

Em 2012, quando meu pai estava fazendo críticas mais pesadas, o presidente [Sampaio] e o vice (Valdivino), assinaram uma carta proibindo a PUC e a 820 de entrar nas dependências do Atlético; que ele era uma persona non grata [pessoa que não é bem vinda] no clube. Nessa época ele criticava a gestão do Sampaio; falava que o Sampaio mandava pintar os muros do Atlético com nome dos jogadores e dirigentes que ele não estava gostando; que tentava tentava comprar resultado de jogo, como por exemplo no Campeonato Goiano de 2012, quando o Atlético perdeu para o Goiás. Na época, ele [Sampaio] disse que era culpa da Federação Goiana de Futebol. Aí meu pai fez críticas, disse: “Ué Sampaio, o que você queria? Que a federação comprasse o título para você? Queria mutreta fora de campo, né? Igual você vez lá no Piauí, no jogo contra o Barras, quando tentou comprar o resultado do jogo? Eu tava lá.”

Meu pai falava que ele era descartável no Atlético. A causa do crime, segundo o inquérito, foram as críticas que o meu pai deferia contra o Maurício. Não é só um problema pessoal. Quer dizer, é um problema pessoal, porque o clube não é responsável; o clube é bem maior do que as pessoas estão lá dentro. Mas não tem como desvincular, já que a razão do crime foram as críticas que meu pai fez a ele, enquanto presidente do clube.

O senhor espera que os torcedores façam campanha contra Sampaio? Acha que isso pode acontecer?
Existe uma carta dos torcedores que defendem o Sampaio. Eu acho isso lamentável. Parece que eles têm até uma fascinação…Não sei, acham bonito o que ele fez. Mas o atletico é muito antigo. Meu avô levava meu pai para os campos do Atlético, quando ele era criança. Então, tenho certeza que muitos torcedores estão constrangidos que com essa decisão. Os torcedores que apoiam o Sampaio estão cometendo um erro. Ele quer pegar o Atlético para utilizar como interesses pessoais dele.

Acredito que com o tempo as coisas vão se esclarecendo. Queremos o bem do Atlético, e o lugar do Sampaio não é lá. Convocamos o apoio de torcedores. Não sei se vão apoiar, mas queríamos que sim; queríamos que os torcedores do Atlético ficassem do nosso lado.

4 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Mario Borges

Vamos aguardar a Justiça definir sobre o presidente do Atlético, todos nós temos direito à defesa , isto faz parte da Justiça , ai depois é outra conversa ……

Fernanda

Futebol é coisa séria! Quando o Valdivino diz que “deveriam separar o ‘Maurício pessoa do Maurício presidente’, ele não leva à sério o fato de ele ser acusado de assassinato! Parabéns pelo excelente texto, Sarah. Ficou muito completo e explicativo.

ribeirovks76

A mídia não está acima da justiça, se ele não foi considerado culpado quem somos nós para condena lo . Cada um é responsável por aquilo que fala e arca com as consequências de seus atos, o Sr Valério falou muita besteira então….
Atlético acima de tudo

comerciante

Tem razão. cada um é responsável por aquilo que fala e arca com as consequências. Ninguem está acima da Justiça, nem a mídia e nem mesmo o presidente do Atlético que é de carne e osso e pode sofre algum tipo de incidente. Portanto, vocês todos devem tomar cuidado com o que falarem de agora em diante, ok? Isso vale para ambos os lados.

comerciante

Já pensou se todo mundo pra quem o Valério Luiz comentou, profissionalmente, besteiras quisesse matá-lo? Ela já estaria morto ha muito antes de seu assassinato. Quem não sabe aceitar um crítica não está preparado para conviver. Essa é a verdade. Também acho que outros cronistas correm risco se forem falar a verdade sobre a futura campanha do Atletico goianiense.

JAIRO

E FACIL DEFENDER UM BANDIDO, QUANDO O CRIME NÃO OCORREU COM A SUA FAMILIA, VALERIO NÃO TINHA INIMIGOS, A NÃO SER ESSE SAMPAIO QUE NUNCA SOBE SEPARAR A SUA VIDA PUBLICA E PROFICIONAL COM SUA VIDA PESSOAL, AGORA E FACIL PEDIR PRA SEPAR O ATLETICO INSTIRUIÇÃO DO SAMPAIO PESSOA,COISA QUE O PROPIO SAMPAIO NÃO SOUBE SEPARAR POIS LEVOU AS CRITICAS PARA UM LADO PESSOAL PARA TIRA A VIDA DE UM JORNLISTA, JA MOSTROU SER DESPREPARADO EMOÇIONALMENTE VARIAS VEZES, QUANDO QUIS IR AS VIAS DE FATOS COM TORCEDORES NO SERRA DOURADA, QUANDO SACOU A ARMA PARA INTIMIDAR TORCEDORES DO SÃO PAULO… Leia mais