Oposicionista diz que nova eleição “sangraria” a OAB e a advocacia

Julio Meirelles, que concorreu como vice-presidente na chapa da OAB Forte, vê decisão que cassou chapa da atual diretoria como “desproporcional” 

Advogado Julio Meirelles em entrevista | Foto: Alexandre Parrode / Jornal Opção

Advogado Julio Meirelles em entrevista | Foto: Alexandre Parrode / Jornal Opção

Ex-candidato a vice na chapa da OAB Forte à presidência da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Goiás (OAB-GO), Julio Meirelles afirmou ao Jornal Opção que é contra a realização de um novo pleito na seccional.

Para  ele, a decisão da juíza federal Adverci Rates Mendes de Abreu, da 20ª Vara da Justiça Federal de Brasília (DF), que suspendeu o registro de candidatura de três então candidatos da chapa do presidente eleito, Lúcio Flávio de Paiva Siqueira, e determinou novas eleições, é “desproporcional” e “irrazoável”.

“A advocacia já escolheu o projeto que quer para o triênio, embora me pareça bastante arrependida. Mas, entendo que realizar novas eleições, perderíamos todos… Demanda gastos e só serviria para sangrar a OAB e a advocacia”, explicou.

Oposicionista ferrenho do atual presidente, Meirelles reconhece que foi um “risco” concorrer com candidatos inelegíveis, só que a punição que a Justiça tenta, um ano depois, aplicar é “pouco proporcional”: “Sem contar que se trata de uma liminar e não poderia ter um teor tão definitivo assim.”

Em caso de uma nova eleição, ele diz não saber se haveria, ou não, outros candidatos, mas está convicto de que Lúcio Flávio não seria “aclamado” ao posto: “O resultado seria bem diferente, o atual presidente não tem o mesmo apoio, está desgastado. É uma administração ruim, inábil.”

O mandado de segurança que resultou na decisão foi impetrado pela OAB Forte — da qual Julio Meirelles faz parte. Questionado do porquê, se não acredita que a solução é nova eleição, a ação seguiu no Judiciário, Julio Meirelles explica que “não foi consultado sobre o assunto”, mas acredita que não é algo “novo”, mas sim do período eleitoral.

 

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.