No Tocantins, Justiça determina suspensão de greve da Polícia Civil

Suspensão do movimento grevista deve ocorrer em seis horas; intervenção da PM será permitida em caso de desobediência

Policiais Civis do Estado estão de greve desde a última quarta-feira (25) | Foto: reprodução / Sinpol - TO

Policiais Civis do Estado estão de greve desde a última quarta-feira (25) | Foto: reprodução / Sinpol-TO

Gilson Cavalcante

A desembargadora Maysa Vendramini Rosal deferiu parcialmente o pedido de liminar da Ação Declaratória de Ilegalidade e Abusividade de Greve do governo do Estado contra o Sindicato de Policias Civil (Sinpol). Na decisão desta terça-feira (3/3), a magistrada determinou a suspensão do movimento grevista no prazo máximo de seis horas e fixou multa diária de R$ 50 mil – limitados a R$ 1 milhão – em caso de descumprimento da medida.

Ainda foi acatado por Maysa Vendramini Rosal o pedido de intervenção da Polícia Militar “em caráter excepcional e subsidiário”. “Tão somente na continuidade do movimento paredista, que implique em prejuízo às regulares atividades dos estabelecimentos prisionais, ressaltando que tal intervenção deverá se dar nos moldes estritamente necessários e com todas as cautelas pertinentes que a situação em comento requer”, limitou a desembargadora.

A magistrada também lembrou que a Constituição Federal assegura o direito de greve, mas ponderou que a mesma Legislação rege o direito segurança e à dignidade da pessoa humana. Maysa Vendramini concluiu que a decisão serve como mandado, buscando assegurar: o início ou encaminhamento a todas as investigações criminais; o funcionamento de todas as delegacias; o pleno funcionamento do instituto de identificação.

O funcionamento do sistema penitenciário e prisional também foi pedido, com a integralidade da escolta de presos para audiências, hospitais e consultas ambulatoriais, o atendimento aos advogados, defensores públicos, promotores de Justiça, juízes, oficiais de Justiça de forma adequada e contínua e o direito de visitas aos detentos e a integralidade física destes e de seus familiares.

Na decisão, a desembargadora afirmou que o governo do Estado argumenta pela inconstitucionalidade das concessões aos polícias civis, que reivindicam o cumprimento das Leis 2.851 e 2.882, ambas de 2014, que alteraram o Plano de Cargos, Carreira e Salários e a tabela de subsídios da categoria.

“Atesta, o ente público [Estado], que tais concessões de vantagens se mostraram cristalinamente inconstitucionais, em especial por ferir a Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/00). Em face de tal situação, assevera que ajuizou as competentes ações diretas de inconstitucionalidade, bem como suspendeu tais atos tidos como nulos”, explicou a magistrada.

De acordo com a desembargadora, o Estado ainda alega que “busca manter diálogo com a categoria para que, dentro das possibilidades do Ente Federativo, possa implementar aumentos e progressões às carreiras integrantes da Polícia Civil”.

Greve

Iniciada na última quarta-feira (25/2) a greve da Polícia Civil é um movimento para protestar contra o decreto do governador Marcelo Miranda (PMDB) que suspendeu os efeitos financeiros da Lei 2.851 de 2014, complementada pela Lei 2.853, que faz o alinhamento das carreiras dos policiais civis de nível médio aos de nível superior, deixando apenas um nível na corporação.

O alinhamento das carreiras foi feito em 2007 pelo próprio governador na sua penúltima gestão, mas a regulamentação e a aplicação efetiva dessa igualdade se arrastou por todos os governos nos últimos oito anos. Somente em abril de 2014 os policiais conseguiram obter a regulamentação do alinhamento, com efeitos financeiros que começariam em janeiro de 2015.

 

Através de nota, o governo do Estado disse estar à disposição para a “continuidade do diálogo” com a Polícia Civil, mesmo com a decisão da Justiça do Tocantins em considerar a greve da categoria ilegal. O Executivo estendeu o posicionamento para as demais entidades sindicais representantes de servidores públicos, que tiveram benefícios suspensos por decreto do governador Marcelo Miranda.

O Executivo informou ainda que o governador determinou que a comissão de análise e impacto de pessoal reconheça a legitimidade da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Tocantins de mediar as conversações com os representantes dos policiais civis. De acordo com a nota, o procurador-geral Sérgio do Vale e o secretário Administração, Geferson Barros, já estiveram reunidos com os representantes da OAB nesta terça-feira (3).

Por fim, o governo afirmou que aguarda que os policiais civis retornem para “garantir a segurança da sociedade” e garante esforços para “resolver os impasses em prol de um Tocantins melhor”.
Confira a íntegra da nota:

NOTA A IMPRENSA

O Governo do Estado do Tocantins, mesmo com a decisão da Justiça de considerar a greve dos policiais civis ilegal, reitera sua disposição para a continuidade do diálogo com a categoria, bem como com as demais entidades sindicais que tratam de demandas dos servidores públicos estaduais.

Objetivando buscar uma solução negociada com as categorias dos servidores públicos estaduais, o governador Marcelo Miranda, que sempre foi reconhecido pela valorização do ser humano e pela constante abertura ao diálogo, determinou à comissão de análise de impacto de pessoal que reconheça a legitimidade da OAB Tocantins de mediar as conversações com os representantes dos policiais civis. Hoje mesmo, o Procurador-Geral do Estado, Sérgio do Vale e o Secretário de Estado da Administração, Geferson Barros, já estiveram reunidos com os representantes da OAB para esta finalidade.

Diante disso, o Governo do Estado espera que os policiais civis retornem ao trabalho, sobretudo para garantir a segurança da sociedade. E, desde já, garante que todos os esforços estarão sendo feitos para resolver os impasses em prol de um Tocantins melhor pra todos nós.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.