Na luta contra o desarmamento, deputada Magda Mofatto acredita que “arma do cidadão de bem não faz mal”

Para parlamentar, não há policiais suficientes para defender cidadãos. “Usa-se o extintor até esperar a chegada do Corpo de Bombeiros. Com a polícia é a mesma coisa”

Deputada federal eleita, Magda Mofatto (PR) / Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção

Deputada federal, Magda Mofatto (PR), é a favor do projeto do parlamentar Rogério Peninha que prevê armamento da população / Foto: Fernando Leite/ Jornal Opção

A favor da possibilidade de defesa. De forma sucinta, é com esse argumento que a deputada federal Magda Mofatto (PR) defende a liberação do armamento da cidadãos brasileiros. O projeto é do deputado Rogério Peninha Mendonça (PMDB/SC), e revoga o Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/12), aprovado pelo Congresso em 2003. “Criminosos estão fortemente armados. Bandido aqui nada de braçada. Ninguém consegue se defender”, pontou a parlamentar.

O Projeto de Lei 3722/2012 foi arquivado no final do mandato e já resgatado por Magda e Rogério. O documento estabelece normas sobre aquisição, posse, porte e circulação de armas de fogo e munições, falando ainda de penalidades e dando providências correlatas. Foi amplamente debatido na Casa, mas não chegou a ser votado.

A deputada lembra do referendo de 2005 (O comércio de armas de fogo e munição deve ser proibido no Brasil?), em que aproximadamente 64% da população votou contra a Lei do Desarmamento — em Goiás foi 67%), e garante que as “pessoas do bem” devem ter direito de defesa. “A polícia não dá conta de defender o cidadão de bem. Não é armar a população, é dar opção de se defenderem. O bandido vai, estupra sua família, assalta, e você não tem direito de defesa”, explicou.

De acordo com Magda, não há policiais o suficiente. “Se a polícia for dar conta de todo mundo, não vai ter policial suficiente”, disse, exemplificando com o uso de extintor em caso de incêndio. “Usa-se o extintor até esperar a chegada do Corpo de Bombeiros. Com a polícia é a mesma coisa”, comentou.

Conforme a parlamentar goiana, criminosos ficarão amedrontados com a ideia de que a população estará armada. “Ele não vai saber se a pessoa tem arma ou não. Vai ficar mais temeroso e menos agressivo. Vai atacar menos, entrar menos na sua casa. Ele vai pensar duas vezes antes de atacar alguém”, disse.

Nos EUA, no ano passado, presidente Barack Obama se disse frustrado pelo País não conseguir avançar com uma legislação mais restrita sobre o controle de armas. “Nos EUA é totalmente liberado. Qualquer pessoa com qualquer documento consegue uma arma. Não é assim a proposta do projeto. É controlado, com estudo profundo e controle. A pessoa tem que ser muito responsável para ter uma arma.”

A deputada ainda frisou que “não é armar a população, é possibilitar que tenham direito de se defender”. “Se alguém te processa na justiça a primeira coisa que o juiz faz é direito de se defender”, disse.

Questionada sobre acidentes em casa, adolescentes pegando armas dos pais, Magda comentou alguns dados. Em Goiás, 39,9 pessoas foram assassinadas a cada 100 mil habitantes. No Brasil, mais de 56 mil pessoas foram assassinadas em 2013. “O índice de assassinatos é muito alto. O de acidentes é baixo. O índice de violência aumentou barbaramente”, e completou: “Arma de bem não faz mal, mas sim a arma do criminoso.”

O Projeto

O documento estabelece alguns requisitos para adquirir uma arma, como comprovante de ocupação lícita, não possuir antecedentes criminais pela prática de infração penal dolosa, não estar sendo investigado em inquérito policial por crime doloso contra a vida ou mediante coação, ameaça ou qualquer forma de violência, ter participado com êxito de curso básico de manuseio de arma de fogo e iniciação ao tiro e estar em pleno gozo das faculdades mentais.

A atual lei estabelece que o porte de armas, por civis, é permitido somente quando for comprovada a necessidade.

16
Deixe um comentário

14 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
14 Comment authors
Leonardo Pires

Parabéns, deputada. Vossa Senhoria traz a tona a vontade popular referendada em 2005 e sempre presente na população brasileira. O direito de portar armas é direito fundamental constitucional. Cada cidadão é responsável pela sua própria segurança e pela segurança de sua família. Quando segundos contam, esperar pela policia não é uma opção. A policia tem suas limitações, não pode estar em todos os lugares a todo tempo. O desarmamento não funciona na França ( Charlie Hedbo) e nem no Brasil. A única coisa que para um homem mal com uma arma é outro homem bom com outra. Avante! Para o… Leia mais

Urlan Salgado de Barros

Mudança drástica dos comentários da deputada para o Barack Obama hein? O presidente dos EUA sentir-se-ia frustrado se morasse num país com quase 60 mil mortes por ano, como no Brasil. Mas lá, o armamento da população reduz drasticamente a criminalidade, como apontado por Bill Whittle no programa Firewall:

Nos estados governados pelos republicanos, a criminalidade é baixíssima devido à população poder usar armas. Por outro lado, nos estados dos democratas, a criminalidade é altíssima haja vista a restrição das armas. Também vale ressaltar 20 fatos que comprovam que a posse de armas deixa a população mais segura:

http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1974

Leandro Martins M

Se as armas no brasil fossem liberadas alguns bandidos seriam um pouco menos ousados. Mas a simples quantidade de armas não está necessariamente ligada a diminuição ou aumento de homicídios e sim a forma como são usadas. Pra realmente diminuir homicídios tem que 1º – Liberar as armas para população civil se defender. 2º – Mudar o código penal, aplicar leis mais severas e acabar com a impunidade. 3º – Prisão perpétua para autores de crimes hediondos. 4º – Investimento pesado na educação. Sendo feito isso, em algumas décadas o brasil se tornaria primeiro mundo e o mais poderoso do… Leia mais

Urlan Salgado de Barros

Concordo. A liberação é o primeiro passo para a redução da criminalidade. O Estado, por meio da polícia, não pode estar em todos os lugares (e espero que nunca esteja), assim, faz-se necessária a liberação para que o cidadão de bem possa se defender.

Cícero V. A.

P A R A B É N S!
Legisladores fazendo o que deve ser feito, legislar “para o povo”. Com iniciativas e posições como a da Dep. Magda Mofatto e que penso que, ainda, há esperanças para o Brasil.

Junior bahia

A Armas garantem a segurança do juiz, do deputado, do delegado, do senador, do banco, do palácio do planalto, do executivo magnata, mas NAO GARANTEM a minha segurança e da minha FAMÍLIA ???? Eles pensam que somos idiotas?

Junior bahia

Aqui na Bahia Invadiram a casa de um casal que morava distante da cidade, Roubaram tudo e ainda colocaram fogo nos dois, se tivessem uma arma apenas um tiro pra cima e o final seria outro.. O desarmamento esta criando mais tragédias que evitando..

Vagno

Parabéns Deputada, Mais uma guerreira a favor do povo brasileiro, obrigado.

Emerson Hofart

Parabéns deputada, é isso mesmo, queremos o direito de viver em paz com nossas famílias, temos que desarmar a bandidagem, isso sim seria um desarmamento sério.

Carlos L. Magalhães

Parabens, deputada. O povo brasileiro não quer se armar; quer apenas ter o direito de OPTAR se terá ou não uma arma de fogo. E caso opte por tê-la, ter esse direito ASSEGURADO. Continue, por favor, combatendo o bom combate. Saudações respeitosas.

JOSE MORAES

ARMA É UM DIREITO SAGRADO IGUAL A COMPRAR PÃO, LIBERDADE GERAL QUERO COMPRAR ARMA NO SUPER MERCADO!

Luis

Excelente, Deputada.
Precisamos de parlamentares que defendam os direitos mais básicos do cidadão, como o de possuir e de portar armas.

Max Viana de Souza

Enfim alguém dando oportunidade de defesa ao povo.

Claudio

Com certeza seus eleitores não estão arrependidos do voto que lhe elegeram Deputada…Parabéns, pois é de pessoas como a srª que precisamos nos representando.

Eduardo Albuqerque

Está certíssima! O atual governo só está criando Leis para beneficiar os criminosos e prejudicar a ação da polícia, meus parabéns pela iniciativa.

Kleber Verraes

Apenas a adoção da maioridade penal aos 16 anos e a revogação do Estatuto do Desarmamento não bastam. De fato, o direito à legítima defesa precisa ser restituído aos cidadãos (na forma mais ampla possível). O Estatuto do Desarmamento, adotado pelo sórdido regime Lulo-Petista, resultou em uma explosão da criminalidade no Brasil; com um recorde que excede 50.000 homicídios por ano. Nestas condições, é inadimissível que qualquer governo proíba os cidadãos de portarem armas de defesa. Evidentemente, os cidadãos brasileiros foram transformados em VASSALOS de um regime ultra-corrupto, e autoritário, que lhes roubou até mesmo o sagrado direito à legítima… Leia mais