Morre o general Leônidas Pires Gonçalves, ex-ministro do Exército

Ele foi citado no relatório da CNV como um dos 377 agentes que atuaram na repressão política e foram responsáveis pela prática de tortura e assassinatos no regime militar

O general Leônidas Pires Gonçalves, ministro do Exército durante o governo de José Sarney, morreu na quinta-feira (4/6), no Rio de Janeiro. Segundo informações do Centro de Comunicação Social do Exército, o general tinha 94 anos e deixa a mulher, dois filhos, quatro netos e sete bisnetos.

De 1974 a 1977, durante a ditadura militar, Leônidas Pires Gonçalves foi chefe do Estado-Maior do 1º Exército, no Rio de Janeiro, e comandante Militar da Amazônia. Em 1983, assumiu o Comando do 3º Exército, em Porto Alegre.

Em 1985, foi convidado por Tancredo Neves para assumir o Ministério do Exército. Com a morte de Tancredo, o general integrou o governo do presidente José Sarney.

Em nota, Sarney lamentou a morte do ex-ministro, a quem chamou de grande amigo, e disse que o general teve papel fundamental durante a transição da ditadura militar para o regime democrático.

“Ele deu suporte para que a transição fosse feita com as Forças Armadas e não contra as Forças Armadas. Pacificou o Exército e assegurou e garantiu o poder civil. Reconduziu os militares aos seus deveres profissionais, defendendo a implantação do regime democrático que floresceu depois de 1985”, lembrou Sarney.

O general foi citado no relatório da Comissão Nacional da Verdade, divulgado em dezembro de 2014, como um dos 377 agentes do Estado que atuaram na repressão política e foram responsáveis, direta ou indiretamente, pela prática de tortura e assassinatos durante o regime militar.

O velório de Leônidas Pires Gonçalves está marcado para o sábado (6), no Palácio Duque de Caxias. A cremação será no mesmo dia, às 13h, no Crematório São Francisco Xavier, no bairro do Caju, Rio de Janeiro.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.