Ministro da Aviação afirma que novo aeroporto de Goiânia atenderá demanda até 2025

Durante vistoria de obras, Eliseu Padilha afirmou que terminal dobrará a capacidade operacional — o que será suficiente pelos próximos dez anos

O ministro da Aviação, Eliseu Padilha, vistoriou na tarde desta segunda-feira (6/4) o primeiro dia da retomada das obras de infraestrutura do novo terminal de passageiros do Aeroporto Santa Genoveva, em Goiânia. Na ocasião, o auxiliar assegurou que o local estará em plena atividade a partir de novembro deste ano, mas informou que a capacidade operacional do novo aeroporto atenderá à demanda goianiense até 2025.

A expectativa é que, assim que o terminal for finalizado, o serviço aeroportuário da capital tenha capacidade para aproximadamente 6,2 milhões de passageiros por ano, o dobro do que comporta atualmente. De acordo com o ministro da Aviação, entretanto, a capacidade será suficiente apenas para os próximos dez anos. “Teremos autonomia até 2015, ou seja, Goiânia vai ter aeroporto garantido até 2025. Já começamos os estudos para pensar em como será depois disso”, explicou.

Em entrevista coletiva, Padilha também negou a informação divulgada pela imprensa de que o novo terminal não comportaria voos internacionais. “Goiânia será uma das cidades habilitadas com aeroporto internacional”, frisou. Segundo Padilha, o governo federal destinou cerca de R$ 460 milhões para a construção do novo aeroporto, sendo R$ 211 milhões para as obras de infraestrutura.

Os trabalhos retomados nesta segunda-feira incluem serviços de engenharia da infraestrutura e redes externas de pista de táxi, vias de serviço internas, acesso viário, pátio de estacionamento de aeronaves, estacionamento de automóveis e sistemas de controle de acesso.

Com término das obras de infraestrutura previsto para até o final de novembro, os demais serviços devem ser finalizados até 4 de abril de 2016. Segundo o presidente da Infraero, no entanto, o terminal passa a operar em sua totalidade já em novembro, independente da finalização dos serviços finais. “Ainda vão faltar alguns detalhes, mas já poderar operar. O aeroporto de Brasília está pronto há quase um ano e ainda há coisas a serem feitas”, exemplificou.

Atualmente Com o novo terminal
Capacidade operacional (ano) 3 milhões de passageiros 9,2 milhões de passageiros
Vagas de garagem 489 vagas 1.548 vagas
Balcões de check in 23 balcões 46 balcões
Área comercial (metros quadrados) 667 m² 2860 m²
Área de embarque (metros quadrados) 790 m² 1720 m²
Esteiras para bagagem (metros) 80 m 206 m
Aparelhos de Raio X 3 7

Padilha também divulgou à imprensa que a intenção inicial é fazer com que o atual terminal de passageiros do Aeroporto Santa Genoveva tenha destinação para a aviação geral, isto é, quaisquer tipos de voos que não sejam de linhas áreas. Isto inclui pequenos aviões de propriedade particular, jatos executivos, helicópteros, voos de treinamento, dentre outras modalidades áreas.

Durante a vistoria, em entrevista coletiva, o prefeito Paulo Garcia informou que a presidente Dilma Rousseff havia autorizado a construção de um viaduto que permitirá o acesso ao novo terminal, sem a necessidade de interrupção do tráfego na BR-153. Segundo o petista, as obras terão duração de seis meses e será responsabilidade do grupo Triunfo Concebra, que possui a concessão da rodovia.

Também participaram da vistoria das obras nesta segunda-feira o presidente da Infraero, Gustavo do Vale; o vice-governador de Goiás, José Eliton (PP); o prefeito e o vice-prefeito de Goiânia, Paulo Garcia e Agenor Mariano; o prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela; além de deputados federais por Goiás e secretários da gestão estadual.

Histórico

Imagem de julho de 2013 mostra obras ainda em estágio inicial | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Imagem de julho de 2013 mostra obras ainda em estágio inicial | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

O imbróglio em torno das obras do novo terminal de passageiros teve início há quase nove anos, em 2006, quando o Tribunal de Contas da União (TCU) detectou indícios de irregularidades na construção. Dos 13 problemas detectados, 11 foram considerados muito graves, como o indício de sobrepreço no valor de R$ 66,6 milhões. Por conta disso, a obra teve, à época, apenas 33% do cronograma executado.

Para que as obras fossem reiniciadas a Infraero e o consórcio Odebrecht/Via Engenharia tentaram, juntamente ao TCU, repactuar o valor, mas sem êxito. A construção foi retomada apenas no final de 2013, após várias consultas ao tribunal.

A expectativa era de que o novo terminal de passageiros fosse entregue em março de 2015, mas os projetos de infraestrutura da obra permaneceram sob análise do TCU entre os meses de fevereiro e novembro do último ano. Após liberação do tribunal, a retomada das obras só pôde ser viabilizada depois de confirmada a destinação de recursos federais para a construção.

O anúncio ficou a cargo da própria presidente Dilma Rousseff (PT) em visita a Goiânia, no último dia 19 de março, durante evento de lançamento das obras do BRT Norte-Sul.  Na ocasião, a petista destacou a necessidade da construção de um novo terminal para a capital goiana e afirmou que iria cobrar do ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, o andamento das obras para que a capital tivesse um aeroporto “coerente com o dinamismo do Estado de Goiás”.

2 respostas para “Ministro da Aviação afirma que novo aeroporto de Goiânia atenderá demanda até 2025”

  1. Avatar lucio mauto disse:

    Tem que ter vôos internacional . já passou da hora

  2. Avatar Itamar Buscher disse:

    falta voo direto para Porto alegre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.