Ministério Público pede cassação de prefeito e vice eleitos de Planaltina

Dr. Davi e Pastora Cida fizeram acordo com dono de empresa de transporte público para oferecer cargos para conseguirem eleitores

Dr. Davi e Pastora Cida, candidatos da chapa eleita em Pontalina | Foto: Reprodução

Dr. Davi e Pastora Cida, candidatos da chapa eleita em Pontalina | Foto: Reprodução

A promotora eleitoral Lucrécia Guimarães pediu a cassação do prefeito eleito de Planaltina, David Alves, o Dr. Davi (Pros), e da sua vice, Maria Aparecida, a Pastora Cida (Pros), por compra de votos. Segundo ela, os dois prometeram vantagens pessoais diretas para eleitores, o que é vedado pela legislação eleitoral. Lucrécia pede ainda que eles sejam declarados inelegíveis.

Os dois candidatos promoveram, segundo a apuração do Ministério Público, reunião com funcionários da Viação Expresso Planaltina, que é concessionária do transporte coletivo na cidade. Eles garantiram aos trabalhadores que eles seriam mantidos nos cargos e que alguns desempregados que também estavam presentes seriam contratados pela empresa.

O dono da Viação Expresso, Iroilton Nunes, também foi alvo de representação eleitoral por participação nas promessas de campanha. Para comprovar as acusações, a promotora apresentou gravações de uma das reuniões em que Dr. Davi confirma que já havia acertado as contratações e manutenções com Iroilton.

Ainda no áudio, ele pede que todos eles entreguem seus currículos para um vereador candidato à reeleição. Dr. Davi acrescenta que os ausentes na reunião também poderiam procurá-lo para entregar o documento. Além da reunião, o MP apurou que os candidatos espalharam, por diversas vezes, panfletos eleitorais em ônibus da empresa.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.