Alteração aparece no momento em que Bolsonaro solicita mudança na contagem de óbitos

General Eduardo Pazuello | Foto: Reprodução

O Ministério da Saúde anunciou ter corrigido dados sobre número de mortes por Covid-19 no Brasil no último domingo, 7. De acordo com a pasta, houve 18.912 casos e 525 novos óbitos registrados. Na publicação anterior, eram 1.382 mortes.

A confusão ocorre em meio à tentativa do governo federal em controlar dados sobre a pandemia no Brasil. Reportagem do Estado de São Paulo, publicada na tarde desta segunda, mostra que houve pedido direto do presidente Jair Bolsonaro para que número de morte por coronavírus fique abaixo de mil por dia.

A solução encontrada pelos técnicos da pasta foi separar os óbitos ocorridos nas últimas 24 horas das mortes de datas anteriores. O Brasil possui 37.312 óbitos e 685.427 casos confirmados.

Interferência

Na última sexta-feira, 5, o portal do Ministério da Saúde saiu do ar. Quando voltou ao ar não havia mais números consolidados e históricos da doença.

Matéria do jornal Valor Econômico mostrou que militares que ocupam postos chaves do Ministério da Saúde tem pressionado técnicos da pasta a maquiar os dados relativos a casos de Covid-19. A pressão chega a atingir a Agência Brasileira de Inteligência (Abin), que produz relatórios para consumo interno do governo federal.

Também no último final de semana outro caso de interferência nos dados veio à tona após declaração do futuro secretário da Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, o empresário Carlos Wizard. Ele chegou a declarar que iria fazer recontagem de mortos por Covid-19, já que os governadores estariam “inflacionando os números”. Ainda no domingo, ele desistiu de aceitar o cargo no governo.