“Não queremos aprovar uma reforma da Câmara, queremos aprovar a reforma do Congresso junto com o governo federal, espero que o presidente Bolsonaro encaminhe a proposta do governo”, disse o presidente da Câmara dos Deputados

Sem a apresentação de uma proposta pelo governo e sem acordo com o Senado Federal, a Câmara dos Deputados retomou nesta quinta-feira, 16, os trabalhos da comissão especial da reforma tributária.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) voltou a defender que a aprovação é o caminho mais importante para a retomada do crescimento econômico brasileiro. E, para isso, seria necessária a união de esforços entre governo, Câmara e Senado para aprovar o texto. Maia também voltou a cobrar esforço do governo para aprovação.

“Não queremos aprovar uma reforma da Câmara, queremos aprovar a reforma do Congresso junto com o governo federal, espero que o presidente Bolsonaro encaminhe a proposta do governo”, comentou.

Rodrigo Maia disse ainda que a aprovação de reformas importantes do passado, como a trabalhista e previdenciária, não geraram o crescimento econômico esperado. Ele afirmou estar convencido de que o sistema tributário brasileiro emperra esse crescimento.

“Tem um estudo que aponta que o PIB potencial do Brasil nos próximos 12, 14 anos é de um crescimento de 20%. A reforma tributária, por si só, tem a condição de nos gerar um crescimento que será fundamental para o nosso futuro”, defendeu.

As reuniões da comissão da Câmara foram interrompidas em dezembro de 2019 com a criação de uma comissão mista para debater a proposta em conjunto com senadores. Com a pandemia do coronavírus, os trabalhos dos parlamentares foram interrompidos.

Reforma administrativa
Maia também voltou a salientar a necessidade de se aprovar uma reforma administrativa que melhore a qualidade do gasto público e destacou que é importante valorizar a produtividade do serviço público.

Com informações da Agência Câmara de Notícias