Contrariando a promessa feita durante a campanha, o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) decidiu manter o Ministério da Justiça e Segurança Pública como uma só pasta durante o seu governo. 

A ideia proposta pelo petista durante a campanha era de separar as áreas e criar um ministério próprio para a Segurança Pública. A decisão, porém, deve ter agradado o senador eleito Flávio Dino (PSB-MA), principal nome para assumir o Ministério da Justiça. 

Ele era contra a separação, chegando a defender a manutenção da Segurança Pública como uma secretaria do ministério e ‘fortalecê-la’, dando mais poder a ela na estrutura da pasta. Advogados e juristas que integram o grupo da transição, por sua vez, defendiam a divisão e a criação do Ministério da Segurança Pública.