Justiça recebe R$ 139 milhões de ex-gerente da Petrobras que estavam em contas na Suíça

Valor repatriado ficará agora na conta da 13ª Vara da Justiça Federal, até que se decida qual será o direcionamento.  Justiça ainda aguarda R$ 43 milhões também repatriados

Ex-gerente da Petrobras e delator da Operação Lava Jato, Pedro Barusco / Antonio Cruz/Agência Brasil

Ex-gerente da Petrobras e delator da Operação Lava Jato, Pedro Barusco / Antonio Cruz/Agência Brasil

O Ministério Público Federal (MPF) informou nesta quarta-feira (11/3), que recebeu R$ 139 milhões repatriados do ex-gerente da Petrobras, Pedro Barusco. O dinheiro, que estava distribuído em contas na Suíça, foi depositado na conta da 13ª Vara da Justiça Federal, em Curitiba. Justiça ainda aguarda R$ 43 milhões, que também foram repatriados de Barusco.

Barusco confessou o recebimento de aproximadamente US$ 100 milhões em suborno. O processo foi conduzido pela Secretaria de Cooperação Internacional do Ministério Público. Em acordo de delação premiada firmado, Barusco concordou em comunicar os bancos sua disposição de fazer a repatriação. Caso o processo seguisse os trâmites comuns, o procedimento poderia se arrastar por anos.

A Justiça ainda espera repatriar mais US$ 27 milhões que estão em contas do ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa. Barusco admite ter depositado em bancos na Suíça US$ 97 milhões.

Veja abaixo a nota sobre a devolução de dinheiro de Barusco divulgada pela 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba:

Tendo em vista dúvidas sobre o acordo de colaboração premiada celebrado entre o Ministério Público Federal e Pedro José Barusco Filho, a 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba presta os seguintes esclarecimentos públicos.

No acordo celebrado e apresentado ao Juízo, o investigado Pedro Barusco comprometeu-se a depositar em Juízo R$ 3.250.000,00 a título de multa compensatória penal e a devolver aos cofres públicos cerca de USD 67.500.000,00, acrescidos dos interesses financeiros, que seriam produto de crimes de corrupção.

Foi o Juízo informado de que outra parcela do produto do crime de corrupção (USD 29.500.000,00) seria devolvido diretamente à Justiça Federal do Rio de Janeiro, perante a qual tramita outro processo em relação ao investigado Pedro Barusco.

Relativamente aos valores acordados para devolução na 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, toma-se a liberdade de informar, para dissipar dúvidas, que já se encontram depositados, em conta judicial vinculada ao processo, R$ 139.666.471,17, havendo ainda outros montantes em curso de repatriação

Concluída a repatriação, o produto dos crimes de corrupção será devolvido à vitima, no caso a empresa Petróleo Brasileiro S/A – Petrobras, com eventuais condicionamentos para o seu emprego. Quanto à multa penal compensatória, será destinada a outras finalidades públicas.

Direcionamento do dinheiro

Conforme informou o Ministério Público Federal, o dinheiro repatriado ficará agora na conta da Justiça — no momento, está na 13ª Vara da Justiça Federal, de Curitiba –, até que se decida qual será o direcionamento.

No caso do juiz aposentado Nicolau dos Santos Neto, “Lalau”, por exemplo, o dinheiro repatriado, cerca de R$ 7 milhões, foi na conta do Tesouro Nacional,  para reparar o dano causado ao erário. A ação ocorreu mais de 10 anos depois, já que o dinheiro ficou bloqueado na conta do ex-juiz.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

walter

Gente, vamos ser abiciosos, mas, AMBIGANANCIOSOS, não… pois tantos que estão precisando em nosso país..de agua, luz, educação,moradia,saúde e principalmente de ALIMENTAÇÃO. PENA DE MORTE AOS CORRUPTOS. URGENTE, VAMOS MUDAR ESTAS LEIS, VAMOS MELHORAR NOSSO PAÍS, NOSSOS NETOS IRÃO PRECISAR DELE SÃO E SALVO.