Justiça italiana nega extradição e manda soltar Henrique Pizzolato

O Ministério Público Federal do Brasil (MPF) deve recorrer da decisão, mas o mensaleiro irá responder o processo em liberdade no país europeu

henrique pizzolatoA Justiça italiana indeferiu nesta terça-feira (28/10) o pedido do governo brasileiro de extradição do ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado por envolvimento no processo do Mensalão. Com a negativa, Pizzolato pode ser liberado da prisão ainda hoje.

Durante julgamento na Corte de Apelação de Bolonha, a defesa do ex-diretor se utilizou das más condições dos presídios no Brasil e de supostos problemas psiquiátricos de Pizzolato para impedir que a extradição fosse viabilizada. Além disso, os advogados do acusado insistiram na teoria de que o julgamento do mensalão não teria respeitado os princípios da defesa.

O Ministério Público Federal do Brasil (MPF) deve recorrer da decisão, mas o mensaleiro irá responder o processo em liberdade na Itália.

Pizzolato foi sentenciado a 12 anos e 7 meses de prisão por envolvimento no mensalão, mas fugiu para o país europeu no segundo semestre de 2013, assim que o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou os recursos dos réus envolvidos no esquema criminoso. Ele acabou sendo detido em fevereiro deste ano durante estadia na casa de um sobrinho em Maranello, no norte da Itália, sendo conduzido para a prisão de Módena.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.