Jovair Arantes nega articulação para assumir ministério de Temer

Questionado pelo Jornal Opção se aceitaria Secretaria de Governo, goiano afirma que seria necessário primeiramente um convite 

O ex-ministro Geddel Vieira Lima e o deputado goiano Jovair Arantes | Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ex-ministro Geddel Vieira Lima e o deputado goiano Jovair Arantes | Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Cotado para assumir a Secretaria de Governo no lugar de Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), o deputado federal Jovair Arantes (PTB-GO) afirmou ao Jornal Opção, na tarde desta sexta-feira (25/11), que desconhece qualquer articulação neste sentido. “Não estou nisso e não fui sondado”, garantiu.

Segundo coluna da Revista Época, o nome de Jovair é o que aglutina maior consenso entre os parlamentares do chamado “centrão”, com mais da metade dos 513 deputados da Câmara Federal, e que, conforme a publicação, tem se movimentado para indicar o novo secretário.

Questionado se aceitaria o cargo, o goiano afirmou que seria necessário primeiramente um convite do presidente Michel Temer (PMDB). “Não fui convidado e, ainda que fosse, teria que conversar com minha turma na Câmara”, explicou. Jovair conta que está focado tão somente na disputa para a presidência da Câmara Federal em fevereiro do próximo ano.

Ele aproveitou ainda para amenizar a repercussão do pedido de demissão de Geddel Vieira e o escândalo envolvendo o ex-ministro da Cultura, Marcelo Caleiro, que acusou o ex-secretário Geral e o presidente Temer de tê-lo pressionado para que fizesse uma intervenção junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) visando a liberação de construção de um edifício em uma área tombada da capital da Bahia.

Impeachment 2?

Sobre o anúncio por parte de deputados do PSOL de pedido de impeachment do presidente Michel Temer, Jovair Arantes afirmou que a oposição está fazendo apenas seu papel e aproveitou para defender o presidente. “O que o Temer fez foi acalmar dois auxiliares que estavam em rota de colisão”, opinou.

Deixe um comentário