Isso porque a direção da sigla em Goiás, em conjunto com a nacional, considera não ter candidatura própria ao governo estadual e coligar com o pessebista

Ex-governador quer formar de frente ampla em oposição a Ronaldo Caiado, no cenário regional, e Jair Bolsonaro, no nacional | Foto: Redes Sociais

O ex-governador José Eliton, que teve pré-candidatura oficializada pelo PSB na última segunda-feira, 25, pode receber apoio do Partido dos Trabalhadores (PT). Isso porque a direção da sigla em Goiás, em conjunto com a nacional, considera não ter candidatura própria ao governo estadual e coligar com o pessebista. Avaliação é de que a formação de frente ampla em oposição a Ronaldo Caiado (UB), no cenário regional, e Jair Bolsonaro (PL), no nacional, depende da construção das alternativas mais viáveis possíveis, de forma pragmática.

José Eliton terá nova conversa com Geraldo Alckmin (PSB), pré-candidato a vice-presidente na chapa de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ambos participarão nesta semana do Congresso Nacional do partido, em Brasília. Aliados afirmam que Eliton pretende retornar da capital nacional com a data da visita de Alckmin a Goiânia. O ex-governador de São Paulo viria no dia 13 de maio, mas o evento deve ser adiado para data na qual Eliton possa ser apresentado como pré-candidato ao governo com o apoio do PT, PCdoB, e PV. Também há a expectativa da presença de Lula.

Até agora, o PT trabalhava com a pré-candidatura própria do ex-reitor da PUC, Wolmir Amado, que foi apresentado nos 14 encontros regionais do partido realizados até agora, de um total de 27. As últimas agendas ocorreram no fim de semana, com reuniões em São Miguel do Araguaia, Porangatu e Uruaçu. O PT tem prazo definido até o dia 29 de maio para oficializar a pré-candidatura para que o escolhido tenha tempo de trabalhar por alianças até o prazo das convenções. O PSB antecipa e espera decisão até dia 15 de maio.