Jânio Darrot sobre deputada Flávia Morais: “Não descarto uma aliança para 2016”

Prefeito faz balanço positivo dos dois primeiros anos da gestão tucana à frente da Capital da Fé e garante que quer continuar comandando a cidade

Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

No primeiro mandato à frente da prefeitura de Trindade, o empresário Jânio Darrot (PSDB) venceu uma disputa acirrada em 2012, quando derrotou o então prefeito Ricardo Fortunato (PMDB) e a deputada federal Flávia Morais (PDT). Contudo, em entrevista ao Jornal Opção Online, ele revela que os verdadeiros desafios vieram mesmo após as eleições: “A cidade estava paralisada”.

Direto de seu gabinete, no centro da Capital da Fé, a redação conversou com o prefeito Jânio Darrot, que, além de tratar sobre questões políticas e a sucessão de 2016, fez um balanço dos primeiros dois anos da gestão.

Fundador da marca de roupa Jean Darrot, o tucano conta que a grande diferença de comandar uma empresa e uma cidade está nos processos burocráticos. “A gestão no setor privado tem tomadas de decisões mais rápidas, então a execução daquilo que é decidido acontece em uma maior velocidade. Já no poder público, têm-se mais normas, regras e protocolos diferentes”, reconhece.

Afiado, Jânio logo complementa que não poderia ser diferente: “Afinal, na iniciativa pública os controles devem ser cada vez mais rígidos para que os recursos sejam aplicados da melhor maneira possível e também para que não haja corrupção”.

No que diz respeito às obras realizadas pela atual gestão, o prefeito conta que, mesmo tendo recebido a prefeitura em frangalhos, tem feito o possível para “elevar a auto-estima do povo trindadense”. “Toda a estrutura estava destruída. Desde a malha viária e asfáltica até prédios públicos em geral, como escolas e CMEIs. Foi preciso, então, recuperar muita coisa, reformas e manutenção em todas as áreas”, explica.

Se os primeiros dois anos foram complicados, Jânio avalia que 2015 e 2016 serão de mais “arrocho financeiro”: “Desde meados de 2014 que nós já prevíamos que serão anos de dificuldade. Por isso, estamos fazendo contenção e diminuindo gastos, fazendo economia na própria despesa corrente, para que possamos manter os serviços com alta qualidade e continuar realizando obras importantes”.

Entre os feitos já realizados e em desenvolvimento pela atual administração, o tucano cita o recapeamento asfáltico da cidade, bem como a pavimentação de nove bairros — que somam um total de 400 m² –; a reforma de 24 Unidades Básicas de Saúde (UBS) municipais, além da construção de outras cinco; a reestruturação total e reaparelhamento do Hospital de Urgências de Trindade (Hutrin); todas as escolas municipais já tiveram intervenções da prefeitura, sete Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) entregues e cinco em construção.

Trindade-Iris-Roberto

Entrada de Trindade sendo reformada e sala de cirurgia do Hutrin | Fotos: Iris Roberto

“Investimos forte na saúde, infraestrutura e educação do município. Queremos humanizar o serviço prestado pela prefeitura de Trindade, além de oferecer atendimento de qualidade em todas as esferas da administração pública”, resume.

Todo o trabalho tem, também, olhos nas eleições de 2016. Candidato natural à reeleição, Jânio Darrot afirma, com todas as letras, que não abre mão de fazer a sucessão em Trindade: “Estaremos presentes no processo político, de maneira ativa e trabalhando para sermos exitosos. Faremos alianças e queremos nossa base no comando da cidade”.

Confira a entrevista:

O senhor venceu uma eleição muito acirrada, contra duas grandes lideranças da cidade àquela época, o prefeito Ricardo Fortunato (PMDB) e a deputada federal e esposa do ex-prefeito George Morais (PDT), Flávia Morais (PDT). Como foi a transição?
Quando recebi a prefeitura, havia inúmeras dificuldades. A cidade estava praticamente paralisada, pois toda a estrutura estava destruída, malha viária, asfáltica, estradas vicinais, prédios públicos em geral. Foi preciso, então, recuperar muita coisa, reformas e manutenção em todas as áreas.

Na saúde, destaco a reforma do Hospital de Urgências de Trindade (Hutrin), que hoje é administrado por uma Organização Social (OS). 24 Unidades Básicas de Saúde (UBS) municipais reformadas, sendo que outras cinco estão em construção.

Na educação, Várias escolas reformadas, sendo que todas já receberam alguma intervenção da prefeitura. Algumas maiores, como ampliações, e outras em pequenos serviços. Quatro novos Centros Municipais de Educação Infantis (CMEIs) sendo construídos e serão entregues entre 2015 e 2016. Lembro que já entregamos sete CMEIs.

Uma das áreas mais abandonadas da prefeitura era a infraestrutura. A cidade toda esburacada, pontos turísticos deixados… Revitalizamos todas as cidades, cuidamos dos jardins e recapeamos a malha asfáltica do centro. Além disso, são nove bairros sendo asfaltados. Um total de 400 mil m² de pavimentação asfáltica.

Jânio não nega que quer concorrer à reeleição | Fotos: Fernando Leite/ Jornal Opção

Jânio não nega que quer concorrer à reeleição | Fotos: Fernando Leite/ Jornal Opção

Era empresário e agora virou gestor de uma “grande empresa” chamada Trindade. Quais as diferenças?
O maior desafio é a burocracia. Além disso há grandes diferenças entre os dois serviços: a gestão no setor privado tem tomadas de decisões mais rápidas, por exemplo. Então a execução daquilo que é decidido acontece em uma maior velocidade.

Já no poder público, têm-se mais normas, regras e protocolos diferentes. Nós trabalhamos com recursos que já tem destinação pré-definida, além de ter que seguir o orçamento, a Lei de Responsabilidade Fiscal. E tudo isso retarda, um pouco, o início das ações depois que uma decisão é tomada.

Por exemplo, para você realizar um determinado investimento, em uma nova construção, logicamente a tramitação de documentos é maior na atividade pública… O que não poderia ser diferente. Na inciativa pública os controles têm que ser cada vez mais rígidos para que os recursos sejam aplicados da melhor maneira possível e também para que não haja corrupção.

2015 e 2016 prometem ser anos mais difíceis, principalmente na economia. Como a prefeitura de Trindade tem se preparado para isso?
Desde meados de 2014 que nós já prevíamos que serão anos de dificuldade. Por isso, estamos fazendo contenção e diminuindo gastos, fazendo economia na própria despesa corrente, para que possamos manter os serviços com alta qualidade e continuar realizando obras importantes.

Alguma obra que poderia mencionar?
Temos projetos em praticamente todas as áreas. Na saúde, estamos ampliando o Hospital de Urgências de Trindade (Hutrin), que vai passar a contar com uma nova unidade para maternidade. Serão 30 leitos, com duas salas para partos e uma UTI neonatal. Além disso, implantaremos mais uma UTI.

Estamos construindo uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 Horas, na região leste da cidade. No Trindade 2 também será construída uma maternidade para atender a necessidade da região.

Na educação, ampliando e construindo escolas, CMEis, e trabalhando para elevar o Indíce de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) nas escolas municipais.

Queremos recapear todo o Centro Histórico, fazendo uma revitalização completa da cidade, com foco naquela região. E continuar a pavimentação dos bairros que ainda não tem o benefício — um total estimado em 400 mil m². Com a conclusão desses 400 mil m², chegaremos a 100% da cidade asfaltada. Uma das metas para 2015/2016.

O foco é humanizar o serviço prestado pela prefeitura de Trindade, além de oferecer atendimento de qualidade em todas as esferas da administração pública.

Trindade-Iris-Roberto-3

À esquerda, obra da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), no Setor Soares; à direita, obra do Ginásio de Esportes do Setor Palmares | Fotos: Iris Roberto

Como está planejando a sucessão em 2016? Tem vontade de concorrer à reeleição?
É lógico que esse trabalho que está sendo feito tem o objetivo (e é meu desejo) de continuar à frente da prefeitura. Queremos continuar reconstruindo Trindade, melhorando a qualidade de vida do povo e oferecendo serviços de qualidade. Queremos dar continuidade, fazendo a nossa sucessão.

Estaremos presentes no processo político de 2016, de maneira ativa e trabalhando para sermos exitosos. Faremos alianças e queremos nossa base no comando da cidade.

Em 2014, o governador uniu, no mesmo palanque, as duas maiores lideranças da cidade hoje, o senhor e a deputada federal reeleita Flávia Morais (PDT). Como está a relação com o casal Flávia e Dr. George [George Morais (PDT), ex-prefeito da cidade]?
Temos uma relação administrativa muito boa, eu diria. A deputada Flávia Morais colocou, inclusive, uma emenda no valor de 3 milhões de reais, que foi contratada e já está disponível pela Caixa para a construção de uma maternidade no Trindade 2. Há também outra, que ela se comprometeu a conseguir, no valor de 2 milhões, para a construção de um terminal rodoviário em Trindade.

Entendemos que é importante para o município ter um deputado federal, ela tem muita representatividade na Câmara e no Estado, teve uma votação expressiva nas últimas eleições. Em 2012 estivemos em palanques opostos… Agora, em 2016 está aí aberto para que nós possamos conversar. Mas, de qualquer forma, é natural que as questões locais sejam diferentes do que a nível de Estado.

O que importa é que essas questões partidárias e políticas não interferem no objetivo maior que é fazer o melhor para o povo de Trindade. Acolhemos de muito bom grado a emenda da deputada Flávia Morais e, com certeza, ela vai deixar um legado importante para a cidade.

Ambos partidos estão na base do governador — o PDT e o PSDB, do senhor — como espera que chegue 2016, no que diz respeito a apoio de Marconi?
A política é muito dinâmica, né? É imprevisível. Nós não abrimos mão de indicar o nome para a disputa, que seja o meu ou outro. Mas, não descarto que possa haver novos desdobramentos, conversas e articulações, nem tampouco uma convergência dos grupos para eleição de 2016.

O Jornal Opção publicou, na coluna Bastidores, que a deputada Flávia Morais estaria chateada porque avalia que perdeu a secretaria estadual de Cidadania [arrematada pela deputada estadual eleita Lêda Borges (PSDB)] em uma ação conjunta do senhor e do deputado federal Jovair Arantes (PTB). Procede?
Não. De forma alguma. Eu tenho um respeito muito grande pela deputada, pelo trabalho que ela já desenvolveu na própria secretaria da Cidadania, sei da competência e seriedade dela. Jamais trabalharia para vetar. Não trabalhei contra.

Se eu tivesse que me empenhar seria no sentido de indicar alguém ao governo. A decisão é uma questão pessoal do governador, como todas as outras que ele tomou para o próximo governo. Os critérios de escolha só a ele cabe responder por isso.

Antes adversários, Jânio e a deputada Flávia Morais trabalharam para reeleger o governador Marconi Perillo (PSDB)

Antes adversários, Jânio e a deputada Flávia Morais trabalharam para reeleger o governador Marconi Perillo (PSDB) | Foto: reprodução / Facebook

Tem tido contato com o governador após a eleição, na escolha da equipe, perspectiva para os próximos anos?
Tive com o governador depois da reeleição, mas só para tratar de questões administrativas de Trindade… Convênios, parcerias aqui para o município. Sobre o secretariado, são conversas normais, nada pontual.

A expectativa é boa?
A melhor possível. Tive do governador, mais uma vez, a certeza de que nós continuaremos trabalhando em parceria para trazer mais obras para nossa cidade. Durante os dois últimos anos tive uma atenção muito grande dele. O Governo de Goiás tem feito muito por Trindade.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.