O instituto Vox garantiu desconhecer tais levantamentos que teriam sido feitos entre os dias 10 e 24 de outubro

Pesquisa "retuitada" por Sandro Mabel do perfil "Amigos da verdade"
Pesquisa “retuitada” por Sandro Mabel do perfil “Amigos da verdade”

Duas pesquisa divulgadas no perfil do Twitter do deputado federal Sandro Mabel (PMDB) no último sábado (25/6), um dia antes das eleições, gerou polêmica por se diferirem grandemente do resultado final das eleições. As pesquisas, supostamente realizadas pelo instituto Vox Populi, apontavam empate técnico do governador reeleito Marconi Perillo (PSDB) ou vitória do peemedebista Iris Rezende (PMDB).

O Jornal Opção Online entrou em contato com o instituto Vox Populi, que garantiu desconhecer tais levantamentos, que estariam datados como sendo realizados entre os dias 10 e 24 de outubro. De acordo com o advogado eleitoral Dalmy Faria, a divulgação de uma pesquisa falsa pode acarretar em aplicação de multas que vão até R$ 100 mil. Neste caso, como a publicação não foi realizada diretamente por Sandro Mabel, sendo que o deputado “retuitou” (forma de repercutir publicação de outro usuário) a publicação de outros usuários (Marcelo Lins e “Amigos da Verdade”), o advogado explica que ainda assim ele poderia ser responsabilizado. “Em relação à internet, a legislação deixa dúvidas. É sempre prudente ficar atento no que compartilha, sendo melhor apenas curtir, porque a partir do momento que você publica em sua página o prejudicado pode te processar também”, explicou.

Pesquisa "retuitada" por Sandro Mabel do perfil de Marcelo Lins
Pesquisa “retuitada” por Sandro Mabel do perfil de Marcelo Lins

O advogado frisou que em casos de pesquisas realizadas internamente, não há necessidade de registro da Justiça Eleitoral. Desta forma, o instituto deve se resguardar, fazendo com que o contratante assine um termo se responsabilizando caso o estudo seja divulgado. “Se o contratante divulgar e o instituto não tiver se resguardado, o processo cai sobre a empresa que realizou a pesquisa”, afirmou.

Sobre a possibilidade dos levantamentos terem sido realizados para uso interno, o Vox Populi voltou a afirmar que desconhecia qualquer tipo de pesquisa registrada ou não, sendo que a última feita pelo instituto em Goiás data do dia 25 de julho deste ano. Apesar de na publicação constar o número de protocolo GO-001149/2014, o número não pôde ser encontrado no registro de pesquisas eleitorais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O Jornal Opção Online tentou entrar em contato com Sandro Mabel, mas o deputado não atendeu as ligações.