Inaugurados por Iris, viadutos sofrem com abandono e oferecem risco

Placas de metal soltas, pichações e depredação: cartões postais de Goiânia, que custaram R$ 25 milhões aos cofres públicos, estão em condição precária

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Fernando Leite/ Jornal Opção

Inaugurados pelo atual prefeito, Iris Rezende (PMDB), durante sua segunda gestão à frente da capital (2005-2008), os viadutos Latif Sebba e João Alves de Queiroz sofrem com o abandono da Prefeitura de Goiânia.

Nesta sexta-feira (12/5), após receber denúncias de leitores, o Jornal Opção visitou as duas obras, que se tornaram cartões-postais da capital, para mostrar que a falta de manutenção além de castigar os monumentos, acaba por oferecer riscos à população.

As placas de metal de ambos estão soltas e é possível ver no vídeo abaixo que só o tráfego em horário normal é suficiente para balançá-las. Muitas foram arrancadas por acidentes há muito tempo e até hoje não foram substituídas.

Pichações e o lixo acumulado enfeiam os viadutos e a quantidade de dejetos nas pistas também colabora para as frequentes inundações registradas nos últimos anos. Basta chover um pouco para a água acumular. Os dois monumentos de metal estão enferrujados e depredados.

Esta não é a primeira vez que um veículo da imprensa registra o abandono e as más condições em que ambos se encontram. São recorrentes as matérias jornalísticas que falam sobre placas soltas e desgastes nas obras que mal completaram dez anos de inauguração.

Foram vários os reparos feitos pela gestão do ex-prefeito Paulo Garcia (PT), então aliado político de Iris Rezende: em 2010, a pista do elevado da T-63 chegou a rachar e uma cratera de 2 metros foi aberta. O valor da obra, executada pela construtora Delta, foi de R$ 18 milhões. Já para a construção do viaduto da Av. 85 com a Av. D, a gestão Iris pagou R$ 7 milhões.

Resposta

Em nota, a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Seinfra) informou que a recuperação dos viadutos está “em fase final de planejamento” e a execução será realizada “em breve”.

Patrimônio

Na última segunda-feira (8/5), o Jornal Opção mostrou que a Estação Ferroviária de Goiânia também sofre com a falta de interesse da prefeitura em preservar o patrimônio público da capital.

Localizado na Praça do Trabalhador, o prédio amarga os desgastes do tempo e está fechado há anos. Abandonada, a estação é só sujeira, mofo e ponto de encontro de usuários de drogas. O odor é insuportável e o interior do prédio é desolador: murais pintados por Frei Confaloni sucumbem ao descaso.

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.